Maranhão pede autorização nacional para adiar o imposto para micro e pequenas empresas

Como a tributação é vinculada a uma normativa federal, é necessário autorização

Flávio Dino defende frente ampla: isso não quer dizer aliança eleitoral.
Flávio Dino defende frente ampla: isso não quer dizer aliança eleitoral. (Foto: Brasil247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em razão dos efeitos da pandemia do Covid-19, o governo do Maranhão solicitou ao Comitê Gestor do Simples Nacional a prorrogação do pagamento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) incidente sobre o Simples Nacional e para Microempreendedores Individuais (MEI). Como a tributação é vinculada a uma normativa federal, é necessário autorização.

O governo comandado por Flávio Dino (PCdoB) solicitou que os impostos com prazo de pagamento para março, abril e maio passem a vencer nos dias 20 de julho, 20 de agosto e 20 de setembro.

O Estado apresenta como justificativa os efeitos nocivos da pandemia sobre a economia, atingindo as empresas, que estão obrigadas a fechar os seus estabelecimentos com a publicação de decreto estadual de isolamento.

Imposto zero sobre álcool em gel

Não é a primeira medida do Maranhão para reduzir impostos em razão da crise do Coronavírus. Na semana passada, o governo do estado conseguiu na Justiça o direito de zerar o imposto estadual (ICMS) sobre a venda de álcool em gel. 

A medida judicial foi necessária porque a legislação tributária proíbe que impostos sejam zerados, para não estimular a guerra fiscal entre estados. No entanto, a Justiça abriu uma exceção em vista do Covid-19.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247