Médico que fez aborto legal da menina de dez anos estuprada foi excomungado pela igreja católica em 2009

Em 2009, o médico e diretor do Cisam, Olímpio Moraes, que fez o aborto legal da menina de dez anos estuprada pelo tio, foi excomungado pela igreja católica por conta de outro caso, de uma criança de 9 anos, grávida de gêmeos, abusada sexualmente pelo próprio padrasto

Olímpio Moraes
Olímpio Moraes (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Julia Cachapuz, na Revista Fórum - Uma entrevista de 2016, do médico obstetra pernambucano, Olímpio Moraes, diretor do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), que fez o aborto legal da menina de dez anos estuprada pelo tio, voltou a circular nesta semana, por conta do novo caso.

O médico, que atua há cerca de 30 anos como obstetra no Brasil, foi excomungado pela igreja católica por conta de outro caso, de uma criança de 9 anos, grávida de gêmeos, abusada sexualmente pelo próprio padrasto. Mesmo revoltando as autoridades religiosas locais e sendo ele próprio batizado pela Igreja Católica, o obstetra afirmou nunca ter duvidado de que interromper a gravidez seria o mais correto a se fazer.

“Eu nunca tive dúvidas de que aquilo era o correto a fazer. No caso dela se somavam duas indicações para o aborto legal. Além do estupro, havia o risco de morte. Era uma criança de 1,32 m grávida de gêmeos. Isso é uma gravidez de alto risco”, contou à BBC, em entrevista.

Após o procedimento, o médico foi excomungado pela Igreja Católica da região em 2009. O processo foi anunciado pelo Arcebispo Dom José Cardoso Sobrinho, que ocupava o cargo na época.

“Estarrecido”

Neste domingo (16), depois de ter presenciado os protestos fundamentalistas, que expuseram a criança de 10 anos estuprada pelo próprio tio, a uma série de violências verbais e ataques, Olímpio Moraes deu uma entrevista para a agência de conteúdo Marco Zero, onde contou estar estarrecido com os protestos conservadores.

“Nós trabalhamos atendendo a população pernambucana e nordestina há mais de 20 anos e nunca presenciei isso. Eu acho que o ódio, a intolerância, estão sendo impulsionadas nesse momento que estamos vivendo de negacionismo, de fundamentalismo religioso”, analisou.

Leia a íntegra na Fórum.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247