Miliciano considera vagabundo quem o enfrenta, diz Renan sobre discussão com Flávio Bolsonaro

"Ele acha que não é criminoso e considera que é vagabundo toda a pessoa que o enfrenta", afirmou o senador Renan Calheiros (MDB-AL) em referência a Flávio Bolsonaro. Parlamentar do Republicanos-RJ atacou o emedebista durante o depoimento do ex-chefe da Secom Fabio Wajngarten, que mentiu várias vezes e até foi ameaçado de prisão

Renan Calheiros (MDB-AL) e Flávio Bolsonaro discutem no Senado
Renan Calheiros (MDB-AL) e Flávio Bolsonaro discutem no Senado (Foto: Marcos Oliveira/Agencia Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou nesse domingo (16) que "miliciano" considera vagabundo toda a pessoa que o enfrenta. O parlamentar comentou a discussão que teve com o senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na última quarta-feira (12), durante depoimento do ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten.

"Eu aproveito a oportunidade para falar daquele episódio do xingamento de vagabundo. Isso é uma coisa da cultura do Rio de Janeiro. As pessoas que moram no Rio de Janeiro sabem que o miliciano tem uma cultura diferente. Ele nunca considera que é criminoso, que está cometendo dano à vida das pessoas, que está traficando, não. Ele acha que não é criminoso e considera que é vagabundo toda a pessoa que o enfrenta", disse o emedebista à GloboNews neste domingo. A declaração foi publicada pelo portal G1

"O governo não tem argumentos, vive só de agredir, de xingar, de provocar, em um esforço diário para tirar a CPI do seu roteiro e para colocar, na discussão que cada vez mais convence a sociedade, uma discussão emocional, de alguém que tenta de todas as formas minimizar o debate que fazemos ali na CPI", acrescentou. 

O filho de Jair Bolsonaro não é membro da CPI, mas, na última quarta-feira (12), compareceu ao colegiado para defender Wajngarten. Naquele dia, Renan e outros senadores queriam a prisão do ex-funcionário do Palácio do Planalto por falso testemunho.

Após pedir a palavra, Flávio Bolsonaro afirmou: "Imagina a situação: um cidadão honesto ser preso por um vagabundo como Renan Calheiros".

Mentiras em depoimento

Entre as mentiras ditas pelo ex-chefe da Secom Fabio Wajngarten foi a de que a campanha do jornalista Otávio Mesquista era favorável ao isolamento social. A peça não recomendou o isolamento social e deu o seguinte conselho: "Não precisa sair correndo para o hospital por causa de um simples resfriado".

O ex-secretário também afirmou não ter conhecimento sobre a campanha "O Brasil não pode parar", lançada em março de 2020, porque estava afastado com Covid-19, mas, em live com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) na época da campanha citada, Wajngarten disse que, mesmo com a doença, estava trabalhando normalmente, inclusive aprovando campanhas.

Ligação com miliciano

A ligação dos Bolsonaros com os milicianos da zona oeste do Rio vem de longa data. Flávio Bolsonaro nomeou a mãe e a ex-mulher do miliciano Adriano da Nóbrega em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa do Rio. Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Nóbrega recebiam sem trabalhar e devolviam parte dos salários ao ex-PM Fabrício Queiroz, que atuava como assessor do parlamentar – as famosas rachadinhas.

Ex-capitão do Bope, Adriano da Nóbrega foi morte em uma operação policial na Bahia, em fevereiro do ano passado. Fugitivo da polícia, ele integrava o chamado Escritório do Crime, grupo de matadores profissionais do Rio e suspeito de envolvimento com a morte da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), em março de 2018. 

Após a morte do miliciano, colegas dele contataram Jair Bolsonaro. Segundo as transcrições, Ronaldo Cesar, o Grande, disse a uma mulher que ligaria para o "cara da casa de vidro", uma referência ao Planalto. No telefonema, demonstrou preocupação com pendências financeiras

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email