'Povo sairá às ruas pelo Lula Livre quando associar sua ausência à falta de programas sociais', diz Wellington Dias

Para o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), população só vai encampar o 'Lula Livre' se associar a ausência do ex-presidente à falta de programas sociais, como o Mais Médicos, Agricultura Familiar, Minha Casa, Minha Vida; “Vamos ter de parar de acreditar que vamos resolver tudo no celular, nas redes sociais”, disse

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Dayane Santos, 247 - Num bate-papo com jornalistas e blogueiros, no Centro de Mídia Alternativa Barão de Itararé, em São Paulo, no último dia (18), o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), destacou os avanços promovidos ao longo de quatro mandatos e falou sobre a conjuntura política.. 

Ele destacou a importância de ampliar a resistência numa frente ampla em defesa da democracia e reforçou que é preciso criar uma pauta voltada para os interesses do povo para fortalecer a mobilização popular. “Vamos ter de parar de acreditar que vamos resolver tudo no celular, nas redes sociais”, advertiu. “É necessário que a gente se volte para a pauta do Brasil. Não dá para nos limitarmos a dois, três. No principal, tem muita convergência”, disse.

O governador defendeu a construção de uma agenda que unifique as diversas forças, tendo a defesa da democracia e da Constituição elos centrais. Para ele, não se pode "perder ninguém". “Vamos ter que nos juntar com pessoas com quem temos divergência”, disse ele, comparando o período da redemocratização, que tinha como bandeira principal a anisitia que, segundo ele, só ganhou força, depois que foram incluídas outras bandeiras, como Diretas Já.

De acordo com Wellington Dias, a situação se assemelha com a luta contra a prisão arbitrária do ex-presidente Lula. “É muito importante a campanha do ‘Lula Livre’. E mais importante se ela for casada com a pauta do povo”, destaca.

Para o governador piauiense, a população só vai encampar a campanha pelo Lula Livre se associar a ausência de Lula à falta de programas sociais, como o Mais Médicos, Agricultura Familiar, Minha Casa Minha Vida, ou particularmente ao Nordeste , a paralisação da Transnordestina. “Se não tivermos capacidade de grandes mobilizações, dificilmente a gente tira o presidente Lula. E ele também acredita nisso”, reforçou.

Consórcio

Segundo ele, os governadores do Nordeste tem buscado o caminho da construção de convergências, o que resultou no chamado Consórcio Nordeste, com parcerias em projetos, políticos, econômicos e sociais.

Wellignton frisou que no Consórcio, nove governandores se uniram em defesa da liberdade de Lula e foram unânimes no repúdio a política de flexibilização do porte e posse de armas de Jair Bolsonaro.

Ele destacou que a aliança em torno de pautas convergentes já rendeu resultados. O Consórcio Nordeste conseguiu, a partir da parceria entre os estados, promover uma queda nos indicadores de violência neste início de ano. “O Consórcio permite que a gente pare de trabalhar um estado como se fosse concorrente do outro”, reforça.

Ele disse que um dos próximos passos dos governadores é garantir um fundo de desenvolvimento regional. “Nós temos que defender essa política do incentivo fiscal. Meu estado abre mão de R$ 600 milhões por ano em favor de empresas, porque senão não vai ter nenhuma empresa lá. Então, o que está colocado é: nos próximos 10 anos, a empresa que tem 100% de incentivo vai ter 90, 80, 70, até zerar. E esse dinheiro vai formar um fundo de desenvolvimento regional”, explicou.

Piauí

“Todos sabem que o Piauí entrou no século 21 como patinho feio do Brasil”, afirma o governador lembranedo que o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do estado estava em 0,4. "Este ano em 0,7", completa.   Outra área que ele destaca é a educação. Segundo ele, todos os municípios possuem ensino profissional e 182 dos 224 contam com ensino superior, sendo 72% das vagas destinadass a alunos da rede pública. "E estamos caminhando para a pós-graduação", disse.

O número de escolas de ensino médio se multiplicou e o total de pessoas com esse grau de escolaridade saltou de 400 mil para 1,2 milhão.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247