STF retira de Moro investigação sobre Sarney

Segundo os ministros que votaram pela investigação do peemedebista no STF, apesar de Sarney não ter foro privilegiado, o caso dele está ligado ao de outros políticos investigados que possuem a prerrogativa, como os senadores Romero Jucá (PMDB-RO) e Renan Calheiros (PMDB-AL); ó unico que votou contra foi o relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin; Sarney é citado pelo menos 49 vezes na delação do ex-presidente da Transpectro Sérgio Machado, que afirma ter direcionado R$ 18,5 milhões ao peemedebista de 2003 a 2014

Presidente do Senado, Senador José Sarney ( PMDB-AP) recebe participantes da Sessão especial destinada a comemorar o sexagésimo aniversário de fundação do jornal O Dia.
Presidente do Senado, Senador José Sarney ( PMDB-AP) recebe participantes da Sessão especial destinada a comemorar o sexagésimo aniversário de fundação do jornal O Dia. (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Maranhão 247 - A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) retirou, nesta terça-feira (21), do juiz federal Sérgio Moro as investigações contra o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), referentes à delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. Agora, Sarney será investigado pelo Supremo. Segundo os ministros que votaram pela investigação do peemedebista no STF, apesar de Sarney não ter foro privilegiado, o caso dele está ligado ao de outros políticos investigados que possuem a prerrogativa, como os senadores Romero Jucá (PMDB-RO) e Renan Calheiros (PMDB-AL).

Ao discordar do ministro Edson Fachin, único a votar pela investigação de Sarney na Corte, o ministro Dias Toffoli questionou “como fazer uma investigação em Curitiba que não vai atingir os outros investigados que têm prerrogativa de foro de função”. “Se de 5 investigados, 4 tem foro, como o juiz de 1a vai investigar 1 sem macular a competência do STF em relação aos demais? Não vejo como”, disse Toffoli.

Além de Toffoli, votaram a favor do pedido do ex-presidente todos os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. 

O nome de Sarney é citado pelo menos 49 vezes na delação do ex-presidente da Transpectro Sérgio Machado, que afirma ter direcionado R$ 18,5 milhões ao peemedebista nos anos em que chefiou a Transpetro (2003-2014). Segundo o ex-dirigente, Sarney recebeu R$ 2,25 milhões por feitos por meio de doações oficiais das empreiteiras Camargo Correa e Queiroz Galvão. O restante foi pago “mediante entregas de dinheiro em espécie”.

Em junho do ano passado, Sarney divulgou nota negando irregularidades e criticou Machado. "A total falta de caráter de quem, como meu amigo por mais de vinte anos, frequentando com assiduidade minha casa, almoçando e jantando comigo, e visitando-me sempre, teve a vilania de gravar nossas conversas, até mesmo em hospital, revela o monstro moral que ele é".

"Vou processa-lo por denunciação caluniosa, de que sou vítima, pois não existe qualquer envolvimento meu nos fatos investigados pela operação Lava-Jato ou em qualquer outro ilícito. Não descarto a construção de uma armadilha. A conduta do Senhor Sérgio Machado mostra sua total falta de credibilidade. Repudio pessoa tão abjeta, que, insisto, vou processar", disse ele.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247