5 de 11 câmeras da Prefeitura no trajeto de Marielle estão desligadas

No trajeto  feito pelo motorista Anderson Gomes e pela vereadora Marielle Franco (PSOL) antes de serem mortos no Centro do Rio há onze câmeras da Prefeitura do Rio, mas quase a metade delas, cinco, estavam desligadas na hora do crime; Casa Civil carioca minimiza e diz que câmeras não ajudariam na apuração

No trajeto  feito pelo motorista Anderson Gomes e pela vereadora Marielle Franco (PSOL) antes de serem mortos no Centro do Rio há onze câmeras da Prefeitura do Rio, mas quase a metade delas, cinco, estavam desligadas na hora do crime; Casa Civil carioca minimiza e diz que câmeras não ajudariam na apuração
No trajeto  feito pelo motorista Anderson Gomes e pela vereadora Marielle Franco (PSOL) antes de serem mortos no Centro do Rio há onze câmeras da Prefeitura do Rio, mas quase a metade delas, cinco, estavam desligadas na hora do crime; Casa Civil carioca minimiza e diz que câmeras não ajudariam na apuração (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - No percurso de cerca de três quilômetros feito pelo motorista Anderson Gomes e pela vereadora Marielle Franco (PSOL) antes de serem mortos no Centro do Rio, o carro dos criminosos que perseguiram o veículo onde estava a parlamentar passou por onze câmeras da Prefeitura do Rio. Quase metade delas, cinco, estavam desligadas.

A primeira das onze, ainda na Rua do Senado, e a última, na Rua João Paulo I, não constam no sistema do Centro de Operações da Prefeitura, somente no da Companhia Estadual de Tráfego do Rio (CET-Rio). Não há informações do funcionamento delas. Outra, no Largo do Estácio, consta como defeituosa, mas funciona e revelou que a perseguição foi feita por dois carros.

"A câmera de trânsito do Largo do Estácio é de baixa definição mas foi suficiente para descobrirmos que tinham dois carros seguindo. Consegue ver a cor, a marca. É uma informação para a investigação", diz o secretário da Casa Civil, Paulo Messina.

Segundo ele, porém, as câmeras de trânsito têm resolução limitada e finalidade exclusiva de acompanhar o tráfego. Messina diz que as imagens dos equipamentos inoperantes pouco contribuiriam para a polícia e que a Prefeitura tem planos para anexar ao Centro de Operações (COR) um órgão ligado à segurança pública, com videomonitoramento.

As informações são de reportagem no G1.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247