A Grécia não é mais um país

A nação que deu ao mundo a democracia acaba de entregar sua soberania aos credores internacionais

Atenas, berço e túmulo da democracia. Foi na capital grega, quatro séculos antes de Cristo, que se forjou um regime político que pregava a soberania do povo. E foi também em Atenas, que, nos dias de hoje, um governo renunciou da forma mais abjeta à sua própria soberania. Em troca de 130 bilhões de euros, a Grécia se ajoelhou e nem merece mais ser chamada de país. Este dinheiro, que em tese salvaria a economia grega da bancarrota, resgata apenas seus credores. E nem sequer será administrado pelas autoridades de Atenas. Cairá numa conta vinculada, onde será gerido por tecnocratas da União Europeia, do Fundo Monetário Internacional e do Banco Central Europeu. Além disso, cobrará um preço caro: para ter acesso ao resgate, os gregos prometeram mais medidas de austeridade, como cortes de salários e de benefícios sociais, o que apenas contribuirá para aprofundar a recessão.

O ponto mais chocante do acordo é aquele que prevê até futuros governos da Grécia serão forçados a se submeter a ele. Ou seja: a voz do povo, ou a democracia, foi por água abaixo. Vai dar certo? Evidente que não. O desfecho é totalmente previsível. Nos próximos dias, as ruas de Atenas, e de muitas outras capitais europeias, serão tomadas novamente por multidões, dispostas a quebrar tudo que encontrarem pela frente. Até porque o dinheiro do resgate à Grécia entra, mas sai logo em seguida para pagar bancos alemães e franceses, que endividaram o país.

O quadro de hoje lembra até o dos anos 30, quando uma crise financeira internacional, a de 1929, deu origem a vários terremotos políticos quando nações antes soberanas se viram forçadas a se submeter às vontades dos credores. O resultado foi a ascensão do fascismo e do nazismo na Europa, num fenômeno magistralmente retratado pelo historiador austríaco Karl Polanyi no livro “A Grande Transformação”.

Havia outra saída? Sim, havia e ainda há. Assim como a Grécia, diversos países europeus se acostumaram a um padrão irreal de consumo, enquanto foram financiados pela Alemanha. Só que, agora, a capacidade de endividamento se esgotou. E o único ajuste possível seria uma desvalorização cambial, assim como ocorreu no Brasil em 1999.

Ah, mas a Grécia não tem mais moeda! Pois o jeito é trazer o dracma de volta, assim como pesetas, escudos e muitas outras moedas que os países da periferia europeia aposentaram. Há cada vez mais gente prevendo a desintegração do euro. E isso inclui nomes como o economista Nouriel Roubini, que previu a crise de 2008, e o financista George Soros.

O povo é sempre mais sábio do que seus tecnocratas. E, em breve, as ruas europeias vão mostrar ao mundo que países não se ajoelham diante de credores impunemente.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247