Alerj pede que STF não suspenda processo de impeachment de Witzel

Nesta quarta-feira o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, foi ao STF pedindo a suspensão do processo de impeachment alegando que a comissão formada na Alerj para a condução do caso não segue as devidas normas

Wilson Witzel
Wilson Witzel (Foto: ABr | STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) encaminhou nesta quinta-feira (23) um pedido ao STF para que não seja suspenso o processo de impeachment do governador do estado, Wilson Witzel.

A Alerj defende que mesmo se “houvesse inconstitucionalidade ou ilegalidade na composição da Comissão Especial, não haveria risco” para o governador, considerando que a comissão apenas irá elaborar um parecer sobre o caso. A decisão final cabe ao plenário.

Nesta quarta-feira (22) Witzel recorreu ao STF alegando irregularidade na formação da comissão que estuda seu impeachment. O governador pediu ao Supremo, portanto, a suspensão do processo de impeachment.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247