Ato em defesa da soberania nacional toma as ruas do Rio

Movimentos sociais e sindicatos se reúnem nesta terça-feira 3, data em que a Petrobras completa 64 anos, para se manifestar em defesa da soberania nacional, diante de ações do governo Temer que prejudicam diretamente a área; parlamentares lançaram nesta segunda uma frente em defesa da soberania; manifestantes aguardam hoje a presença do ex-presidente Lula

Movimentos sociais e sindicatos se reúnem nesta terça-feira 3, data em que a Petrobras completa 64 anos, para se manifestar em defesa da soberania nacional, diante de ações do governo Temer que prejudicam diretamente a área; parlamentares lançaram nesta segunda uma frente em defesa da soberania; manifestantes aguardam hoje a presença do ex-presidente Lula
Movimentos sociais e sindicatos se reúnem nesta terça-feira 3, data em que a Petrobras completa 64 anos, para se manifestar em defesa da soberania nacional, diante de ações do governo Temer que prejudicam diretamente a área; parlamentares lançaram nesta segunda uma frente em defesa da soberania; manifestantes aguardam hoje a presença do ex-presidente Lula (Foto: Gisele Federicce)

247, com Rede Brasil Atual - Trabalhadores de diversas categorias e militantes de movimentos sociais se concentram nesta terça-feira 2 em uma grande manifestação em defesa da soberania nacional.

Os grupos se concentraram no início da tarde em frente à sede da Eletrobras, no centro do Rio de Janeiro, onde se manifestam em defesa das empresas públicas. A Eletrobras foi vendida pelo governo Temer e por isso é um dos alvos do protesto.

A manifestação deve se deslocar pela região central, com paradas previstas diante do BNDES e da sede da Petrobras, cujo decreto de criação, editado por Getúlio Vargas, completa 64 anos nesta terça. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é aguardado para o ato.

Com grande presença dos petroleiros e integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que realiza um encontro nacional na capital, eles devem se unir a funcionários públicos, estudantes e demais integrantes das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, em caminhada até a sede da Petrobras, também na região central da capital carioca.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, as privatizações já realizadas e outras anunciadas pelo governo Temer pretender fazer o país recuar à condição de exportador de produtos primário e dependente do mercado externo. "Estamos aqui para defender a soberania nacional, defender nossas empresas e impedir que esses golpistas e entreguistas vendam nossas terras, nossas riquezas, nossa água, a nossa Amazônia", disse Vagner.

O coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP-CUT), José Maria Rangel, o presidente da CUT ressaltou que a Petrobras está "sendo jogada às traças, os estaleiros estão parados", e destacou que a política de política de conteúdo local, que previa o fortalecimento dos setores industriais ligados ao petróleo, vem sendo abandonada pelo governo Temer.

Rangel afirmou que foi a presença do Estado, com a participação dos bancos públicos e empresas estatais, que garantiu a superação da crise internacional que eclodiu em 2007. "Naquele momento, o povo sentiu muito menos os impactos da crise. É o que a gente não vê hoje. O estado, em vez de investir, está tirando e vendendo nosso patrimônio".

Já o diretor de Relações Internacionais da FUP-CUT, João Antônio de Moraes, comparou o atual governo a uma "tropa de ocupação estrangeira", por conta do processo de privatização levado à cabo pelo governo Temer que, na semana passada, leiloou quatro usinas hidrelétricas da Companhia Elétrica de Minas Gerais (Cemig), uma delas vendida a uma empresa estatal chinesa. "As empresas estrangeiras vão atuar de acordo com os interesses do povo brasileiro ou de acordo com os interesses dos chineses?", provocou.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247