Beltrame condenou morte de mulher arrastada

Ferida por dois tiros, no Morro da Congonha, Cláudia Ferreira caiu do porta-malas do carro do 9º Batalhão de Polícia Militar (Rocha Miranda) e foi arrastada, por cerca de 250 metros, na Estrada Intendente Magalhães; PMs estão detidos; “Um inquérito policial militar foi instaurado e a Polícia Civil também investiga o caso”, informou nota do secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame

Ferida por dois tiros, no Morro da Congonha, Cláudia Ferreira caiu do porta-malas do carro do 9º Batalhão de Polícia Militar (Rocha Miranda) e foi arrastada, por cerca de 250 metros, na Estrada Intendente Magalhães; PMs estão detidos; “Um inquérito policial militar foi instaurado e a Polícia Civil também investiga o caso”, informou nota do secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame
Ferida por dois tiros, no Morro da Congonha, Cláudia Ferreira caiu do porta-malas do carro do 9º Batalhão de Polícia Militar (Rocha Miranda) e foi arrastada, por cerca de 250 metros, na Estrada Intendente Magalhães; PMs estão detidos; “Um inquérito policial militar foi instaurado e a Polícia Civil também investiga o caso”, informou nota do secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil
O secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, repudiou a conduta dos três policiais militares envolvidos no caso da morte da auxiliar de serviços gerais Cláudia Ferreira da Silva. A informação foi divulgada pela secretaria por meio de nota.

Depois de ser ferida por dois tiros, um no peito e outro no pescoço, no Morro da Congonha, em Madureira, zona norte do Rio, Cláudia foi colocada, pelos policiais, no porta-malas do carro do 9º Batalhão de Polícia Militar (Rocha Miranda). Os PMs disseram que iam transportá-la para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, também na zona norte. No caminho, a porta traseira abriu, o corpo da auxiliar de serviços gerais ficou pendurado no veículo e ela foi arrastada, por cerca de 250 metros, na Estrada Intendente Magalhães.

Ainda na nota, o secretário informou que os policiais estão presos. Ele acrescentou que foi aberto um inquérito e a morte de Cláudia está sendo apurada pela Polícia Civil. “Um inquérito policial militar foi instaurado e a Polícia Civil também investiga o caso” concluiu a nota.

Os PMs envolvidos são o subtenente Adir Serrano Machado, o subtenente Rodney Miguel Archanjo e o sargento Alex Sandro da Silva Alves. Os nomes foram divulgados pela Polícia Militar. De acordo com a assessoria da PM, eles estão sendo ouvidos e depois serão transferidos para uma unidade do Presídio de Bangu, na zona oeste do Rio. A assessoria informou também que a perícia no veículo ainda não foi concluída.

Ontem (17), durante do velório de Cláudia, no Cemitério de Irajá, na zona norte, o marido dela, Alexandre Fernandes da Silva disse que pretende processar o Estado pela morte da mulher, com quem completaria 20 anos de casados no dia 18 de setembro. Eles tinham quatro filhos e cuidavam de mais quatro sobrinhos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email