Centro do Rio tem protesto contra terceirização

Cerca de 150 manifestantes, carregando vuvuzelas e apitos, protestaram no centro do Rio de Janeiro; segundo os coordenadores do movimento, os manifestantes protestavam pela valorização do piso salarial para os empregados em edifícios; entre as reivindicações estava também a desaprovação ao projeto de lei que regulamenta a terceirização e contra as medidas provisórias (MP) 664/14 e 665/14; o movimento foi acompanhado pelos agentes de trânsito da Companhia de Engenharia de Tráfico da prefeitura do Rio

Cerca de 150 manifestantes, carregando vuvuzelas e apitos, protestaram no centro do Rio de Janeiro; segundo os coordenadores do movimento, os manifestantes protestavam pela valorização do piso salarial para os empregados em edifícios; entre as reivindicações estava também a desaprovação ao projeto de lei que regulamenta a terceirização e contra as medidas provisórias (MP) 664/14 e 665/14; o movimento foi acompanhado pelos agentes de trânsito da Companhia de Engenharia de Tráfico da prefeitura do Rio
Cerca de 150 manifestantes, carregando vuvuzelas e apitos, protestaram no centro do Rio de Janeiro; segundo os coordenadores do movimento, os manifestantes protestavam pela valorização do piso salarial para os empregados em edifícios; entre as reivindicações estava também a desaprovação ao projeto de lei que regulamenta a terceirização e contra as medidas provisórias (MP) 664/14 e 665/14; o movimento foi acompanhado pelos agentes de trânsito da Companhia de Engenharia de Tráfico da prefeitura do Rio (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil

Cerca de 150 manifestantes, carregando vuvuzelas e apitos, protestaram no início da tarde de hoje (7), no centro do Rio de Janeiro. Segundo os coordenadores do movimento, os manifestantes protestavam pela valorização do piso salarial para os empregados em edifícios. Entre as reivindicações estava também a desaprovação ao Projeto de Lei 4.330, que regulamenta a terceirização e contra as medidas provisórias (MP) 664/14 e 665/14. O movimento foi acompanhado pelos agentes de trânsito da Companhia de Engenharia de Tráfico da prefeitura do Rio.

A Câmara dos Deputados aprovou na noite de ontem (6) a MP 665/14, que estabelece novas regras de acesso ao seguro-desemprego, seguro-defeso e abono salarial.  A MP 664/14 que ainda será votada, promove mudanças na concessão de pensão por morte e auxílio-doença.

O movimento feito pelo sindicato dos empregados de edifícios no município do Rio de Janeiro contou com o apoio da Força Sindical de São Paulo. Ambos os sindicatos são filiados à Federação Nacional dos Trabalhadores em Edifícios e Condomínios e à Confederação Nacional dos Trabalhadores em Edifícios e Condomínios. 

“A proposta do barulho é para que os síndicos e administradores de condomínio escutem nosso apelo por um salário digno, superior ao piso estadual. Um reajuste para quem ganha acima da inflação”, afirmou um dos manifestantes, ao usar o microfone do carro de som.

Amanhã (8) está programada outra manifestação, das 10h às 16h, no mesmo local, nas esquinas das Avenidas Almirante Barroso e Rio Branco, próximo à Estação Carioca do metrô.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247