Cidades do interior tem onda de violência

A crise econômica interminável, o recrudescimento da violência política, a extinção de postos de trabalho com carteira assinada são apenas algumas das razões para a explosão de violência no país, que agora atinge não apenas as grandes cidades, mas o interior; no interior do estado do Rio de Janeiro, a situação ainda é mais grave:  houve um aumento no índice de letalidade violenta em 18%, passando de 431 para 509 casos

Violência Urbana Brasil, Rio de Janeiro
Violência Urbana Brasil, Rio de Janeiro (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A crise econômica interminável, o recrudescimento da violência política, a extinção de postos de trabalho com carteira assinada são apenas algumas das razões para a explosão de violência no país, que agora atinge não apenas as grandes cidades, mas o interior. No interior do estado do Rio de Janeiro, a situação ainda é mais grave:  houve um aumento no índice de letalidade violenta em 18%, passando de 431 para 509 casos.

"Mais de um terço desses assassinatos (201 deles) ocorreu em apenas quatro cidades: Campos (que tem a maior quantidade de homicídios do interior), Angra dos Reis, Macaé e Cabo Frio. Em três delas houve aumento no número de mortes em janeiro, fevereiro e março deste ano em relação ao começo de 2017. Em Campos, o índice de letalidade violenta subiu 11,8% (de 59 para 66 ocorrências). Em Angra, cresceu 32,4% (de 37 para 49). Em Macaé, 30% (de 40 para 52). Só Cabo Frio teve uma redução, de 20,9% (de 43 ano no passado para 34 agora)."

Leia mais aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247