CNJ abre ação para investigar juiz que prendeu Garotinho

Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instaurou um procedimento investigatório sigiloso contra o juiz Glaucenir Silva de Oliveira, que mandou prender, em novembro do ano passado, o ex-governador Anthony Garotinho; CNJ vai julgar se o juiz Glaucenir teria infringido os incisos I e IV do Artigo 35 da Lei Orgânica da Magistratura; entre outras coisas, tais incisos obrigam o magistrado a “tratar com urbanidade as partes” e a tomar providências que pressuponham urgência; testemunhas começam a ser ouvidas nesta quinta-feira, 5

Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instaurou um procedimento investigatório sigiloso contra o juiz Glaucenir Silva de Oliveira, que mandou prender, em novembro do ano passado, o ex-governador Anthony Garotinho; CNJ vai julgar se o juiz Glaucenir teria infringido os incisos I e IV do Artigo 35 da Lei Orgânica da Magistratura; entre outras coisas, tais incisos obrigam o magistrado a “tratar com urbanidade as partes” e a tomar providências que pressuponham urgência; testemunhas começam a ser ouvidas nesta quinta-feira, 5
Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instaurou um procedimento investigatório sigiloso contra o juiz Glaucenir Silva de Oliveira, que mandou prender, em novembro do ano passado, o ex-governador Anthony Garotinho; CNJ vai julgar se o juiz Glaucenir teria infringido os incisos I e IV do Artigo 35 da Lei Orgânica da Magistratura; entre outras coisas, tais incisos obrigam o magistrado a “tratar com urbanidade as partes” e a tomar providências que pressuponham urgência; testemunhas começam a ser ouvidas nesta quinta-feira, 5 (Foto: Aquiles Lins)

Rio 247 - O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instaurou um procedimento investigatório sigiloso contra o juiz Glaucenir Silva de Oliveira, que mandou prender, em novembro do ano passado, o ex-governador Anthony Garotinho. 

CNJ atendeu pedido da defesa de Garotinho e remete ao episódio em que Glaucenir determinou que Garotinho fosse transferido do Hospital Souza Aguiar para o Complexo de Gericinó. Na época, Garotinho teve que ser conduzido à força do hospital, apesar de estar sob risco de infarto (relembre aqui). 

O CNJ vai julgar se o juiz Glaucenir teria infringido os incisos I e IV do Artigo 35 da Lei Orgânica da Magistratura. Entre outras coisas, tais incisos obrigam o magistrado a “tratar com urbanidade as partes” e a tomar providências que pressuponham urgência. 

As testemunhas serão ouvidas nesta quinta-feira, 6, e no dia 11. Na lista, estão médicos do Hospital Souza Aguiar, Quinta D’Or e UPA de Gericinó. Na época, garotinho chegou a colocar um stent.

O corregedor Carlos Eduardo Fonseca, vice-presidente do TRE-RJ, titular da corregedoria eleitoral, determinou que o juiz Mauro Nicolau Júnior, da 25ª Zona Eleitoral, seja o responsável por inquirir as testemunhas.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247