Contrato da primeira-dama tinha como objetivo dar base legal aos gastos da família Witzel

Os valores do contrato relativamente modestos – 36 parcelas de R$ 15 mil – visavam a garantir base legal para os gastos pessoais da família Witzel

Helena Witzel e Wilson Witzel
Helena Witzel e Wilson Witzel (Foto: Reprodução/Twitter)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agenda do Poder - O contrato da primeira-dama Helena Witzel com o operador financeiro de Mário Peixoto não visava exatamente ao recebimento de propinas. Segundo uma fonte com trânsito no Palácio Laranjeiras, os valores relativamente modestos – 36 parcelas de R$ 15 mil – visavam a garantir base legal para os gastos pessoais da família Witzel. Daí ter sido pactuado em contrato. O faturamento da esposa somado ao salário do marido (R$ 17 mil) totalizaria aproximadamente R$ 32 mil, montante suficiente para justificar o padrão de vida do casal.

O erro crasso da operação foi ter sido firmada exatamente com um dos sócios de Mário Peixoto, o maior fornecedor do governo do estado. O que seria para blindar o governador se transformou na maior vulnerabilidade do governo, pois associou Witzel de modo formal ao conjunto de empresas investigadas. O álibi arquitetado transmutou-se em eloquente prova de acusação. Rigorosamente, o tiro saiu pela culatra.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247