“Criminosos têm no WhatsApp um porto seguro”

Juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, que determinou o bloqueio do aplicativo nesta terça, cobra do Facebook, dono do serviço, o mesmo tratamento dado a outras empresas; "É o que acontece em diversas investigações. As operadoras cumprem. O Google cumpre. Por que o WhatsApp não pode cumprir?", questionou, em entrevista à Época, sobre o não cumprimento de decisão judicial para entrega do conteúdo de mensagens trocadas por criminosos; "Não é a Justiça que está tirando o aplicativo do ar. É o WhatsApp. Ele sabe as consequências de não responder a uma ordem judicial. E, quando respondem, ainda respondem em inglês", criticou ainda a magistrada

Juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, que determinou o bloqueio do aplicativo nesta terça, cobra do Facebook, dono do serviço, o mesmo tratamento dado a outras empresas; "É o que acontece em diversas investigações. As operadoras cumprem. O Google cumpre. Por que o WhatsApp não pode cumprir?", questionou, em entrevista à Época, sobre o não cumprimento de decisão judicial para entrega do conteúdo de mensagens trocadas por criminosos; "Não é a Justiça que está tirando o aplicativo do ar. É o WhatsApp. Ele sabe as consequências de não responder a uma ordem judicial. E, quando respondem, ainda respondem em inglês", criticou ainda a magistrada
Juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, que determinou o bloqueio do aplicativo nesta terça, cobra do Facebook, dono do serviço, o mesmo tratamento dado a outras empresas; "É o que acontece em diversas investigações. As operadoras cumprem. O Google cumpre. Por que o WhatsApp não pode cumprir?", questionou, em entrevista à Época, sobre o não cumprimento de decisão judicial para entrega do conteúdo de mensagens trocadas por criminosos; "Não é a Justiça que está tirando o aplicativo do ar. É o WhatsApp. Ele sabe as consequências de não responder a uma ordem judicial. E, quando respondem, ainda respondem em inglês", criticou ainda a magistrada (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, da Vara de Execuções Penais do Rio de Janeiro, causou polêmica nesta terça-feira 19 ao determinar nova suspensão do aplicativo WhatsApp.

Em entrevista ao jornalista Bruno Ferrari, da Época, ela cobrou do Facebook, dono do serviço, o mesmo tratamento dado a outras empresas. "É o que acontece em diversas investigações. As operadoras cumprem. O Google cumpre. Por que o WhatsApp não pode cumprir?", questionou.

O bloqueio desta terça é referente mais uma vez ao não cumprimento de decisão judicial que pede a entrega de conteúdo de mensagens trocadas por criminosos. Em março desse ano, o Facebook teve um diretor preso por decisão similar, dada por um juiz de Sergipe.

Para Daniela, "os criminosos brasileiros enxergam no WhatsApp um escudo, um porto seguro para cometer crimes e planejar execuções". "Não é a Justiça que está tirando o aplicativo do ar. É o WhatsApp. Ele sabe as consequências de não responder a uma ordem judicial. E, quando respondem, ainda respondem em inglês", critica.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247