Crivella se reúne com Bolsonaro e anuncia que deve começar reabertura 'nos próximos dias'

"Agora estamos no estudo da retomada. Se Deus quiser, nos próximos dias vamos começar a reabrir as coisas", disse o prefeito do Rio de Janeiro, Marcello Crivella

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, afirmou nesta quinta-feira (21), após se reunir com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, que submeterá ao "conselho científico" do município nesta sexta-feira (22) um plano elaborado com empresários para retomar principalmente o setor do comércio e parte do setor de serviços do Rio de Janeiro, o segundo estado brasileiro mais atingido pelo coronavírus. São 30,3 mil confirmações e 3,2 mil mortes provocadas pela Covid-19, de acordo com o site disponibilizado pelo governo federal para atualização de casos.

"Agora estamos no estudo da retomada. Se Deus quiser, nos próximos dias vamos começar a reabrir as coisas", disse Crivella, na saída da reunião, realizada a convite de Bolsonaro, que pediu informações sobre a capital.

Segundo o chefe do Executivo municipal, a reabertura será escalonada "como todo lugar do mundo". O prefeito disse houve uma queda de 80% das aglomerações e do número de passageiros em ônibus na cidade, o que daria "sinais no horizonte que devemos voltar as atividades".

Questionado se fez algum pedido específico a Bolsonaro, o prefeito disse que há leitos disponíveis nos hospitais. "No Rio de Janeiro está, graças a Deus, havendo leitos, e enfrentando essa tragédia [...] O Rio de Janeiro tem respiradores. Nós compramos na China 806 respiradores e já recebemos", acrescentou.

No estado do Rio o número de mortes foi multiplicado praticamente por oito em um período de um mês, ao sair de 422 óbitos, em 20 de abril, para os 3.2 mil desta quarta-feira (20). São 30 mil casos confirmados, seis vezes o número de um mês atrás, atrás apenas do estado de São Paulo (69 mil).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247