Deputado que quebrou a placa de Marielle quer transformar Pedro II em colégio militarvai disputar prefeitura do Rio

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), conhecido por ter quebrado a placa de Marielle Franco - assassinada pela mílicia -, apresentou proposta que preve a transformação do Colégio Pedro II em escola militar

O deputado federal pelo PSL do Rio de Janeiro, Daniel Silveira, quebrou a placa de Marielle
O deputado federal pelo PSL do Rio de Janeiro, Daniel Silveira, quebrou a placa de Marielle
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A proposta aventada pelo Ministério da Educação que disse que pretende implantar 108 "escolas militares" no país até 2023, já começou a gerar ações da base governista. O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), conhecido por ter quebrado a placa de Marielle Franco, assassinada pela mílicia, apresentou uma proposta para que o Colégio Pedro II seja uma dessas escolas.

Considerado como a mais tradicional instituição de ensino público federal, sendo a que figura entre as escolas com melhor desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Colégio tem sido palco de protestos e atos contra os cortes de verbas da educação, a reforma da Previdência e outras medidas do governo Bolsonaro.

Sem apontar nenhuma justificativa para a proposta de transformar o colégio em uma intituição de ensino cívico-militar, Silveira afirma apenas que as escolas militares "têm como objetivo preparar o aluno para a vida em sociedade, formar cidadãos que atuem com ética e cidadania, sendo guiados pelos valores e tradições da educação militar".

A informação é do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247