Desembargador bloqueia bens de Eduardo Paes

O bloqueio foi determinado no âmbito de inquérito que investiga possíveis atos ilícitos no sistema de ônibus do Rio de Janeiro

Ex-prefeito do Rio Eduardo Paes
Ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O desembargador Gilberto Matos, da 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, determinou na tarde desta terça-feira (20) o bloqueio dos bens do candidato a prefeito do Rio de Janeiro pelo DEM, Eduardo Paes, no âmbito de inquérito que apura possíveis atos ilícitos no sistema de ônibus do Rio de Janeiro, segundo Guilherme Amado, da Época.

Foram também bloqueados bens do empresário Paulo Roberto Santos Figueiredo e do Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio de Janeiro (Rio Ônibus), totalizando um montante de R$ 240 milhões.

Por nota, a defesa de Paes afirmou que "o processo baseia-se em relatório feito, por encomenda, pelo Vereador Tarcísio (PSOL), adversário político de Eduardo Paes, que se utiliza politicamente da justiça para prejudicá-lo. O MP questiona o pagamento, pela Prefeitura, da gratuidade nas passagens de ônibus concedida aos estudantes da rede municipal. Não há, no processo, qualquer acusação de corrupção. O Tribunal de Contas do Município já examinou e rejeitou os questionamentos feitos no processo. Infelizmente, a decisão foi tomada sem que antes Eduardo Paes tenha sido chamado para se defender. Eduardo Paes segue confiando na justiça e de que, após prestados os esclarecimentos necessários, a decisão será revogada".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247