Doria: primeiras doses da vacina CoronaVac chegam em uma semana

De acordo com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), as primeiras seis milhões de doses da vacina chinesa contra o coronavírus chegarão ao estado até a próxima segunda-feira (2)

Coletiva de Imprensa com Área do Governo e Área da Saúde
Coletiva de Imprensa com Área do Governo e Área da Saúde (Foto: GOVSP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que as primeiras seis milhões de doses da vacina CoronaVac chegarão no Brasil em até uma semana. "Os primeiros seis milhões de doses chegarão até segunda em voo a São Paulo. Os outros 40 milhões de doses serão produzidos a partir de insumos que ainda esperam manifestação da Anvisa, para que o Butantan possa (ter os insumos e) produzir a vacina", disse o chefe do Executivo paulista em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (26). 

O imunizante está sendo produzido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a importação da vacina na última sexta-feira (23). Ainda falta a conclusão de estudos clínicos e a aprovação final da agência regulatória brasileira.

Para a conclusão dos estudos e a submissão do registro na Anvisa, o Butantan tem de apresentar dados no sentido de comprovar a eficácia da vacina. É necessário um número mínimo de voluntários infectados pelo coronavírus. O objetivo é fazer comparações entre o grupo que tomou placebo e o grupo que recebeu a vacina em teste.

"Dependemos da transmissibilidade da doença. Precisamos que esses voluntários apresentem sintomas e confirmem casos de Covid. Não temos como evitar essa fase, nem (temos) previsibilidade sobre esse processo — explicou na coletiva o infectologista e secretário de estado da Saúde, Jean Carlo Gorinchte

"Precisamos de um número mínimo de 61 casos confirmados (entre os voluntários) para que esse estudo possa ser aberto e comparemos os dois grupos. Daí veremos quem tomou vacina e quem tomou placebo, para então comprovar se a vacina tem eficácia superior a 50%, que foi o patamar mínimo estabelecido pela Anvisa", complementou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247