Doria adere ao projeto de escolas militares de Bolsonaro

Em meio a ataques ao governo Jair Bolsonaro, o governador de São Paulo, João Doria (PSB), anunciou adesão ao projeto de implantação de escolas cívico-militares. “É difícil aderir a um programa que você não sabe o que é”, afirmou o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares

(Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Blog do Esmael - O governador de São Paulo João Doria (PSDB), após declarar que rompeu com a política do “BolsoDoria”, teve uma recaída nesta sexta-feira (4) e anunciou adesão ao projeto de implantação de escolas cívico-militares do governo Bolsonaro.

O anúncio foi feito pelo secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, em vídeo divulgado pela deputada Letícia Aguiar, do partido do presidente. Um dia antes, Soares afirmou que não havia entendido o programa federal e enviou um ofício com 23 perguntas ao Ministério da Educação. “É difícil aderir a um programa que você não sabe o que é”, disse o secretário.

No vídeo ao lado da deputada, Rossieli afirmou que as equipes da secretaria e do MEC conversaram para esclarecer pontos do projeto. No Twitter, Doria confirmou esta sexta (4) o aval do secretário para aderir ao projeto. “Considerando os esclarecimentos prestados ontem pelo MEC, após solicitação da nossa Sec. de Educação, o Estado de SP resolveu aderir ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares”, descreveu.

O período de adesão havia terminado na sexta-feira (27). Quinze estados e o Distrito Federal tinham manifestado interesse. Da região Sudeste, somente Minas Gerais estava entre eles.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247