Duas pessoas morrem baleadas em Congonha

De acordo com a PM, policiais chegaram à comunidade pela manhã e foram recebidos a tiros por criminosos ; as armas dos policiais foram encaminhadas à Polícia Civil para perícia, para verificar se o tiro que matou moradora partiu da PM ou dos criminosos; depois da morte dela, moradores desceram do morro e fecharam a Avenida Edgar Romero por algum tempo, em protesto

De acordo com a PM, policiais chegaram à comunidade pela manhã e foram recebidos a tiros por criminosos ; as armas dos policiais foram encaminhadas à Polícia Civil para perícia, para verificar se o tiro que matou moradora partiu da PM ou dos criminosos; depois da morte dela, moradores desceram do morro e fecharam a Avenida Edgar Romero por algum tempo, em protesto
De acordo com a PM, policiais chegaram à comunidade pela manhã e foram recebidos a tiros por criminosos ; as armas dos policiais foram encaminhadas à Polícia Civil para perícia, para verificar se o tiro que matou moradora partiu da PM ou dos criminosos; depois da morte dela, moradores desceram do morro e fecharam a Avenida Edgar Romero por algum tempo, em protesto (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil
Uma moradora morreu após ser baleada durante operação policial feita ontem (16) na comunidade de Congonha, em Madureira, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Militar (PM), Cláudia da Silva Ferreira foi encontrada ferida por policiais, na parte alta da comunidade, e encaminhada ao Hospital Carlos Chagas, mas não resistiu e morreu.

Um homem, que segundo a polícia estava atirando nos policiais, foi baleado e teve a morte comunicada pela Polícia Militar no final da tarde. Só depois de chegarem ao ponto mais alto da favela que os agentes encontraram Cláudia ferida. Depois da morte dela, moradores desceram do morro e fecharam a Avenida Edgar Romero por algum tempo, em protesto. Eles atearam fogo a lixeiras e um posto de gasolina foi apedrejado.

De acordo com a PM, policiais chegaram à comunidade pela manhã e foram recebidos a tiros por criminosos. As armas dos policiais foram encaminhadas à Polícia Civil para perícia, para verificar se o tiro que matou a moradora partiu da PM ou dos criminosos.

Outro protesto contra uma ação policial ocorreu hoje na comunidade de Vila Aliança, na zona oeste, onde a PM tem feito buscas de suspeitos e armas para consolidar a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na vizinha Vila Kennedy.

Depois de uma ação que resultou na prisão de um homem e na apreensão de um fuzil, moradores da Vila Aliança atearam fogo em um ônibus na Rua Belila, que dá acesso à comunidade. Em ambas as favelas, o policiamento foi reforçado.
Em outra ação policial, na comunidade do Pica-Pau, em Cordovil, na zona norte da cidade, três pessoas ficaram feridas. Segundo a Polícia Militar, os três foram atingidos em confronto com agentes.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email