Durante a pandemia, operação da PM no Jacarezinho deixa 5 mortos

Ação na manhã de sábado provocou tiroteio e mortes de cinco homens que moram no local. “Um jovem na localidade do Azul recebeu a ordem de sentar em uma cadeira e levou vários tiros na cabeça”, diz relato publicado no Portal Favelas

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar entraram na favela do Jacarezinho, zona norte do Rio de Janeiro, na manhã deste sábado 9, deixando cinco homens mortos, segundo relatos de moradores, como o de Rumba Gabriel, do Portal Favelas, que conversou com quem vive no local.

A operação foi noticiada pela imprensa neste fim de semana, informando inclusive que ela interrompeu temporariamente a distribuição de cestas básicas às famílias, mas informações sobre os assassinatos não vieram a público. De acordo com Rumba, “um jovem na localidade do Azul nesta favela recebeu a ordem de sentar em uma cadeira e levou vários tiros na cabeça, segundo informações de moradores”.

Ele denuncia a operação “sem protocolo” comandada pelo governador Wilson Witzel (PSC) e lembra da política de Estado do governante, que é de “atirar na cabecinha” contra quem ele define como criminoso. 

Renan Letta, jornalista do Voz das Comunidades, também denunciou no Twitter: “Mais de mil mortes por #covid19 no estado do Rio, hospitais entrando em colapso sem leitos de UTI e sem respiradores. Nas favelas, mais de 300 casos confirmados. A ação do @GovRJ? Operação no Jacarezinho com dois caveirões desde às 6h”.

Confira alguns relatos e vídeos do tiroteio:

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247