‘Ela nunca comentou nada sobre ataques ou ameaças’, diz vereadora amiga de Marielle

Companheira de partido da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), a historiadora Talíria Petrone afirmou que a amiga "até então nunca tinha se queixado em conversas, ou mesmo em eventos do partido, de que teria sofrido qualquer tipo de ameaça, seja verbal, por telefone ou pelas redes sociais"; Talíria não descartou, no entanto, que o trabalho e a militância da amiga possam ter sido a causa do homicídio

Companheira de partido da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), a historiadora Talíria Petrone afirmou que a amiga "até então nunca tinha se queixado em conversas, ou mesmo em eventos do partido, de que teria sofrido qualquer tipo de ameaça, seja verbal, por telefone ou pelas redes sociais"; Talíria não descartou, no entanto, que o trabalho e a militância da amiga possam ter sido a causa do homicídio
Companheira de partido da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), a historiadora Talíria Petrone afirmou que a amiga "até então nunca tinha se queixado em conversas, ou mesmo em eventos do partido, de que teria sofrido qualquer tipo de ameaça, seja verbal, por telefone ou pelas redes sociais"; Talíria não descartou, no entanto, que o trabalho e a militância da amiga possam ter sido a causa do homicídio (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - Companheira de partido da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e única mulher eleita para a Câmara Municipal de Niterói na última eleição, a historiadora Talíria Petrone afirmou que a amiga nunca tinha relatado ameaças ou ataques contra ela.

"As investigações estão abertas e não dá para saber nada agora. Ela era muito minha amiga e até então nunca tinha se queixado em conversas, ou mesmo em eventos do partido, de que teria sofrido qualquer tipo de ameaça, seja verbal, por telefone ou pelas redes sociais", disse Talíria ao Globo.

"Ela nunca comentou nada a respeito de ataques ou ameaças. Nesse dia, numa agenda intensa, falamos rapidamente sobre a dificuldade de haver poucas mulheres no partido para ajudar na causa que temos em comum: da mulher negra, da favela, feminista", acrescentou.

Talíria não descartou, no entanto, que o trabalho e a militância da amiga possam ter sido a causa do homicídio, mas negou que o crime tenha ligação com represálias na área onde militou durante sua trajetória política, o Complexo da Maré.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247