Elites já preparam a destruição de Bolsonaro, diz Mauro Lopes

"Bolsonaro é para as elites brasileiras o que o Exército Islâmico foi para os EUA: foi patrocinado, apoiado, teve todo espaço para crescer e combater o(s) inimigo(s) das elites brasileiras ou, no caso dos ISIS, dos americanos. O problema é que com todo o apoio, ganhou musculatura e tornou-se uma ameaça. Agora, preso Lula, as elites preparam a destruição de Bolsonaro-ISIS", diz o jornalista

Deputado federal Jair Bolsonaro durante evento em São Paulo 27/12/2017 REUTERS/Leonardo Benassatto
Deputado federal Jair Bolsonaro durante evento em São Paulo 27/12/2017 REUTERS/Leonardo Benassatto (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Trecho da coluna do jornalista Mauro Lopes O fascista Bolsonaro segue em segundo lugar; mas o homem, visivelmente desequilibrado, capaz de lançar o país numa ditadura de corte nazista e numa guerra civil em duas semanas, começa a ser colocado para fora do pleito em outra ação das elites. Bolsonaro é para as elites brasileiras o que o Exército Islâmico foi para os EUA: foi patrocinado, apoiado, teve todo espaço para crescer e combater o(s) inimigo(s) das elites brasileiras ou, no caso dos ISIS, dos americanos. O problema é que com todo o apoio, ganhou musculatura e tornou-se uma ameaça. Agora, preso Lula, as elites preparam a destruição de Bolsonaro-ISIS.

Abaixo, reportagem da Reuters:

SÃO PAULO (Reuters) - A Procuradoria-Geral da República denunciou nesta sexta-feira o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ), ao Supremo Tribunal Federal (STF) por racismo contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs, segundo nota da PGR.Caso seja condenado, Bolsonaro, que é pré-candidato à Presidência da República, poderá cumprir pena de um a três anos, além de um pagamento mínimo de 400 mil reais por danos morais coletivos.

O deputado lidera as pesquisas de intenção de voto quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado a 12 anos e um mês de prisão, não aparece como candidato.

A denúncia cita um evento em um clube do Rio de Janeiro em abril de 2017, quando Bolsonaro fez um discurso de incitação ao ódio e preconceito direcionado a diversos grupos, como culpar indígenas pela não construção de hidrelétricas em Roraima.

“O único rio lá que se poderia fazer três hidrelétricas, o pessoal encheu de índio. Hoje você não pode fazer uma hidrelétrica”, disse o parlamentar.

No caso de comunidades quilombolas, Bolsonaro afirmou que “não fazem nada” e “nem para procriador eles servem mais”.

“Eu fui em um quilombo em El Dourado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador eles servem mais. Mais de um bilhão de reais por ano gastado com eles.”

Ao falar sobre mulheres, o deputado citou a própria família. “Eu tenho cinco filhos. Foram quatro homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher”, disse ele na época.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirma que vê “a conduta de Jair Bolsonaro como ilícita, inaceitável e severamente reprovável”.

“O denunciado era capaz à época dos fatos, tinha consciência da ilicitude e dele se exigia conduta diversa, sobretudo por se tratar de um parlamentar”, afirma Dodge.

 

A denúncia reúne ainda outros discursos do parlamentar contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros.

A PGR também denunciou Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável, por uma ameaça a uma jornalista.

 
 


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247