Em decisão histórica, Justiça obriga CSN a pagar aluguel para famílias que vivem em área de risco em Congonhas (MG)

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) determinou que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) pague aluguel a moradores vizinhos à Barragem Casa de Pedra, para que eles possam sair do local devido ao risco de rompimento

Audiência no TJMG em que foi deferida a decisão
Audiência no TJMG em que foi deferida a decisão (Foto: MAB / Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O Coletivo de Comunicação Movimento de Atingidos por Barragens (MAB), de Minas Gerais, informou que a pedido do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e “após muita mobilização das famílias atingidas”, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais obrigou a CSN Mineração a pagar aluguel para famílias que vivem em área de risco em Congonhas (MG)

No seu site, o MAB informou que a Justiça “deferiu liminar determinando que a CSN Mineração arque com o custo mensal de R$ 1.500, a título de aluguel, “para cada núcleo familiar atingido-residente em área de risco nos bairros Cristo Rei e Residencial em Congonhas (MG) que são vizinhos ao complexo da Barragem Casa de Pedra”.

A empresa deverá depositar a quantia, mensalmente, em conta bancária indicada pelo atingido interessado em sair da área de risco e os moradores deverão comprovar propriedade ou posse do imóvel, segundo o MAB. “Para tanto, a CSN deverá se basear em cadastro da Defesa Civil ou outro a ser procedido logo após a intimação”, informa o MAB.

PUBLICIDADE

“O Movimento recebe com esperança essa decisão, sabendo que seu cumprimento vai exigir muita luta. O Movimento espera, também, que a CSN acate a decisão judicial, pois, depois dos crimes da Vale em Mariana e Brumadinho, fica claro que ‘quem paga pra ver é assassino’. Independentemente da postura da empresa, o MAB e seus parceiros continuarão na busca de solução segura e definitiva para o caso”.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email