Em operação contra milícias no RJ, Polícia Civil e MPRJ prendem 8 no município de Duque de Caxias

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) iniciaram na manhã desta quinta-feira a Operação Próspera, contra três milícias que disputam áreas no município de Duque de Caxias. A 3ª Vara Criminal de Duque de Caxias expediu 25 mandados de prisão e 21 de busca e apreensão

A Policia Civil realizou uma megaoperação para cumprir 36 mandados de prisão e quatro de busca e apreensão; os mandados envolvem pessoas acusadas de participação em uma quadrilha especializada no golpe do falso sequestro - extorsão praticada a partir de telefonemas simulando sequestro; até o fim da manhã, 29 pessoas tinham sido presas
A Policia Civil realizou uma megaoperação para cumprir 36 mandados de prisão e quatro de busca e apreensão; os mandados envolvem pessoas acusadas de participação em uma quadrilha especializada no golpe do falso sequestro - extorsão praticada a partir de telefonemas simulando sequestro; até o fim da manhã, 29 pessoas tinham sido presas (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) iniciaram na manhã desta quinta-feira (8) a Operação Próspera, contra três milícias que disputam áreas no município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A reportagem é do portal G1.

Até a última atualização, oito pessoas foram presas e outros 10 alvos com mandados de prisão estão encarcerados, acrescenta a reportagem.

A 3ª Vara Criminal de Duque de Caxias expediu 25 mandados de prisão e 21 de busca e apreensão. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247