Entre 75 mil, greve é de 225, diz Secretaria da Educação

Greve dos professores entra em seu 8ª dia, mas não empolga a categoria; Prefeitura contabiliza apenas 225 profissionais parados num universo de 75 mil; grande maioria das aulas transcorre normalmente; promessa de realização de novo plano salarial

Greve dos professores entra em seu 8ª dia, mas não empolga a categoria; Prefeitura contabiliza apenas 225 profissionais parados num universo de 75 mil; grande maioria das aulas transcorre normalmente; promessa de realização de novo plano salarial
Greve dos professores entra em seu 8ª dia, mas não empolga a categoria; Prefeitura contabiliza apenas 225 profissionais parados num universo de 75 mil; grande maioria das aulas transcorre normalmente; promessa de realização de novo plano salarial (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A greve dos professores das redes de escolas públicas do estado e da capital completa hoje (16) oito dias no Rio de Janeiro. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação (Seeduc), nenhum aluno está sendo prejudicado, pois a adesão é pequena. Segundo os dados oficiais, apenas 225 profissionais não estão comparecendo às instituições de ensino. A rede estadual tem 75 mil professores.

Já a prefeitura do Rio criou um grupo de trabalho para estudar e elaborar o plano de cargos, carreiras e remunerações dos servidores da educação, conforme decisão publicada no Diário Oficial do Município desta sexta-feira.

Os servidores reivindicam aumento salarial, melhoria nas condições de trabalho e um plano de carreira unificado. Neste ano, o governo do estado concedeu reajuste de 8% e benefícios para a categoria, mas os professores pedem um aumento de 19%, devido às perdas salariais nos últimos anos.

Em nota, a Seeduc disse que está aplicando falta aos servidores que não estão comparecendo às escolas e informou que, ao completar dez dias de paralisação, o governo pode encaminhar o processo de demissão dos professores faltosos à Secretaria de Planejamento e Gestão.

A coordenadora do Sindicato dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe), Wilia Alcântara, informou que a categoria tem uma reunião agendada para a próxima segunda-feira (19) com o secretário estadual de Educação, Wilson Risolia, para discutir a ameaça de demissão.

"Nós sinalizamos que estava errado colocar o código 30 [falta]. A greve é legítima, foi decretada em assembleia. O sindicato informou ao governo sobre a assembleia. Portanto, não cabe demissão. A greve é um direito do trabalhador".

De acordo com a coordenadora, os professores irão ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual, no bairro de Laranjeiras, zona sul do Rio, na tarde de hoje (16), para tentar uma audiência. "Nós esperamos que alguém nos receba para nos dar uma informação oficial", disse a sindicalista.

Ainda segundo Wilia Alcântara, a Seeduc alega que o sindicato não informou que os professores poderiam entrar em greve, "mesmo sabendo de todas as assembleias que foram feitas pela categoria". Ela disse também que a pauta dos professores "não foi atendida em vários pontos".

Até a publicação desta matéria, a Secretaria Municipal de Educação não havia respondido à solicitação da Agência Brasil sobre a posição do município com relação à greve dos professores.

Edição: Davi Oliveira

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email