Fachin nega novamente pedido de Witzel para retornar ao governo do Rio

O ministro do STF Edson Fachin negou o pedido feito pela defesa de Wilson Witzel, ex-governador do Rio afastado por acusações de envolvimento com irregularidades na área da saúde

Edson Fachin e Wilson Witzel
Edson Fachin e Wilson Witzel (Foto: STF | ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin negou o pedido feito pela defesa de Wilson Witzel para reavaliar a decisão que impediu o ex-governador do Rio de se manter no cargo. 

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou o afastamento de Witzel em agosto é consequências das investigações da Operação Placebo, em maio, e da delação premiada do ex-secretário de Saúde do Rio Edmar Santos.

O ex-dirigente denunciou irregularidades na compra de equipamentos médicos durante a pandemia do coronavírus. 

De acordo com as investigações da Polícia Federal, o esquema foi dividido em três eixos liderados pelo presidente nacional do PSC, Everaldo Dias Pereira, o pastor Everaldo; pelo empresário Mário Peixoto; e pelo empresário da área de ensino José Carlos de Melo.

Durante entrevista à imprensa, Witzel afirmou que a decisão de seu afastamento foi "induzida pela PGR" por influência do Planalto. "A família Bolsonaro quer o Rio de Janeiro". 

"A busca e apreensão não encontrou R$1 real na minha casa, foi um circo contra mim, uma decisão induzida pela Procuradoria Geral da República, que persegue governadores e desestabiliza o estado com investigações rasas, buscas preocupantes", disse. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247