Feder, indicado para Educação em SP, defende sala de aula sem professor e implementou 207 escolas militares no PR

Feder também já defendeu a extinção dos ministérios da Educação e da Saúde

www.brasil247.com - Renato Feder e Rodrigo de Freitas
Renato Feder e Rodrigo de Freitas (Foto: Divulgação/Secretaria da Educação e do Esporte do Paraná | Reprodução/Facebook)


247 - Renato Feder, de 44 anos, atual secretário da Educação do Paraná e confirmado pelo governador eleito Tarcísio de Freitas (Republicanos) como futuro chefe da pasta no estado de São Paulo , foi alvo de protestos por implantar EAD em sala de aula sem professor, e responsável por colocar 207 escolas em modelo cívico-militar no estado. As informações são do portal G1.

Feder também já defendeu a extinção dos ministérios da Educação e da Saúde.

Em novembro de 2021, o governo do Paraná contratou uma faculdade particular para dar aulas à distância aos alunos do ensino médio, em disciplinas profissionalizantes.

A empresa de ensino Unicesumar foi contratada por R$ 38,4 milhões para "oferta de disciplinas técnicas, não constantes da Base Nacional Curricular Comum, em cursos de Educação Profissional para a produção, ministração e transmissão das disciplinas técnicas presenciais mediadas por tecnologia, síncronas, com sistemas de interatividade e disponibilização de monitores, para estudantes do ensino técnico profissional integrado ao Ensino Médio da rede estadual de ensino do Paraná", segundo informações do contrato com o governo.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247