Flávio Bolsonaro faz críticas à Lava Jato e defende Augusto Aras

O senador Flávio Bolsonaro criticou a operação Lava Jato e defendeu o procurador-geral da República, Augusto Aras, em entrevista. Ele também admitiu 'pode ser que, porventura' tenha mandado seu ex-assessor Fabrício Queiroz pagar sua conta pessoal

Flávio Bolsonaro
Flávio Bolsonaro (Foto: Alessandro Dantas)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Flávio Bolsonaro, (Republicanos-RJ), filho de Jair Bolsonaro, criticou a operação Lava Jato e defendeu o procurador-geral da República, Augusto Aras, em entrevista concedida ao jornal “O Globo” publicada na manhã desta quarta-feira (5). Ele também admitiu que 'pode ser que, porventura' tenha mandado seu ex-assessor Fabrício Queiroz pagar sua conta pessoal. 

Ainda na entrevista, Flávio foi questionado  sobre se considera contraditório que a Lava Jato reclame estar sendo alvo de desmonte depois de a família Bolsonaro ter sido eleita com discurso em defesa da operação.

"[Augusto] Aras [procurador-geral da República] tem feito um trabalho de fazer com que a lei valha para todos. Embora não ache que a Lava-Jato seja esse corpo homogêneo, considero que pontualmente algumas pessoas ali têm interesse político ou financeiro. Se tivesse desmonte das investigações no Brasil, não íamos estar presenciando essa quantidade toda de operações", respondeu o senador.

Flávio é alvo de investigação de esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), no qual funcionários lotados no gabinete do parlamentar eram obrigados a devolver parte do salário ao até então deputado estadual.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247