Flávio Bolsonaro homenageou delegado que apontou arma na boca de motoboy

Em 2007, o delegado Luiz Augusto Mattos Braga foi homenageado por Flávio Bolsonaro com uma “moção de louvor e congratulações” pela Alerj, em virtude do seu trabalho

Flávio Bolsonaro e Luiz Augusto Mattos Braga
Flávio Bolsonaro e Luiz Augusto Mattos Braga (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O delegado Luiz Augusto Mattos Braga, que na última terça-feira foi flagrado por câmeras colocando uma arma na boca do entregador de um restaurante, em Copacabana (RJ) já recebeu honrarias de seu desempenho como profissional com uma “moção de louvor e congratulações” pela Alerj, informou o jornalista Ancelmo Gois em sua coluna no jornal O Globo. 

Segundo o jornalista, o reconhecimento, no ano de 2007, foi uma sugestão do então deputado estadual Flávio Bolsonaro. 

Luiz Braga vai responder por lesão corporal e abuso de autoridade por ter atacado o entregador. 

Entenda o caso

Segundo informações do portal G1, o delegado parou seu carro no bairro de Copacabana no última terça-feira (9), sem identificação da polícia, ao lado de motos de entrega estacionadas.

Sem máscara, ele desce, gesticula com dois entregadores, mostra o distintivo da Polícia Civil e ordena que eles liberem a vaga.

“Eu presenciei ele falando que queria que todo mundo tirasse as motos, que ele estava com a viatura”, disse o motoboy.

Um deles obedece e coloca a moto na calçada. O outro, que saía para fazer a última entrega do dia, é empurrado pelo delegado.

Luiz Braga saca a arma e põe na boca do entregador.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247