Freixo: Cunha é uma 'metonímia política'

Segundo o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), “é fruto da despolitização, da intolerância e de uma lógica de governabilidade baseada em acordões fisiológicos que transformaram o parlamentarismo de coalizão em parlamentarismo de extorsão”

Segundo o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), “é fruto da despolitização, da intolerância e de uma lógica de governabilidade baseada em acordões fisiológicos que transformaram o parlamentarismo de coalizão em parlamentarismo de extorsão”
Segundo o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), “é fruto da despolitização, da intolerância e de uma lógica de governabilidade baseada em acordões fisiológicos que transformaram o parlamentarismo de coalizão em parlamentarismo de extorsão” (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Para o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), Eduardo Cunha é “uma metonímia política”.

“Cunha é fruto da despolitização, da intolerância e de uma lógica de governabilidade baseada em acordões fisiológicos que transformaram o parlamentarismo de coalizão em parlamentarismo de extorsão”, diz.

Segundo ele, as denúncias contra o governo precisam ser investigadas, mas o debate político precisa ir além do impeachment. “Após 126 anos, diante de uma república que se permite ter Cunha na presidência da Câmara, não podemos ficar bestializados. Em nome da res pública, algo precisa ser feito”, afirma (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email