FUP: Água e energia são um direito social e não mercadorias

Federação Única dos Petroleiros (FUP) criticou a aprovação da privatização da Cedae pelos deputados estaduais do Rio; para a FUP, além de colocar em risco o acesso à água potável como direito humano, essa medida absurda reforça a agenda golpista imposta pelo governo Temer, que tem por eixo a redução do Estado e a entrega do patrimônio público; "As primeiras vítimas da privatização da Cedae serão as populações pobres que moram em comunidades e que têm direito à tarifa social. Estudos comprovam que a entrega da companhia ao mercado irá aumentar em pelo menos 70% as tarifas de distribuição da água potável"

Federação Única dos Petroleiros (FUP) criticou a aprovação da privatização da Cedae pelos deputados estaduais do Rio; para a FUP, além de colocar em risco o acesso à água potável como direito humano, essa medida absurda reforça a agenda golpista imposta pelo governo Temer, que tem por eixo a redução do Estado e a entrega do patrimônio público; "As primeiras vítimas da privatização da Cedae serão as populações pobres que moram em comunidades e que têm direito à tarifa social. Estudos comprovam que a entrega da companhia ao mercado irá aumentar em pelo menos 70% as tarifas de distribuição da água potável"
Federação Única dos Petroleiros (FUP) criticou a aprovação da privatização da Cedae pelos deputados estaduais do Rio; para a FUP, além de colocar em risco o acesso à água potável como direito humano, essa medida absurda reforça a agenda golpista imposta pelo governo Temer, que tem por eixo a redução do Estado e a entrega do patrimônio público; "As primeiras vítimas da privatização da Cedae serão as populações pobres que moram em comunidades e que têm direito à tarifa social. Estudos comprovam que a entrega da companhia ao mercado irá aumentar em pelo menos 70% as tarifas de distribuição da água potável" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - A Federação Única dos Petroleiros (FUP) criticou a aprovação pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) nessa segunda-feira, 20, do projeto de lei que autoriza a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). 

Para a FUP, além de colocar em risco o acesso à água potável como direito humano, essa medida absurda reforça a agenda golpista imposta pelo governo Temer, que tem por eixo a redução do Estado e a entrega do patrimônio público.

"As primeiras vítimas da privatização da Cedae serão as populações pobres que moram em comunidades e que têm direito à tarifa social. Estudos comprovam que a entrega da companhia ao mercado irá aumentar em pelo menos 70% as tarifas de distribuição da água potável", critica a entidade.

Leia a nota na íntegra:

"A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou nesta segunda-feira, 20, por 41 votos a 28, a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). Para a FUP, além de colocar em risco o acesso à água potável como direito humano, essa medida absurda reforça a agenda golpista imposta pelo governo Temer, que tem por eixo a redução do Estado e a entrega do patrimônio público.

O acesso à água potável e ao saneamento básico é um direito humano essencial como assegura a Organização das Nações Unidas (ONU) e não uma mercadoria, usada como moeda de troca para, ilusoriamente, tentar minimizar a situação de calamidade financeira em que se encontra o estado do Rio de Janeiro, em função dos descalabros cometidos pelos governos Cabral e Pezão.

Como os parlamentares de oposição vêm alertando, o valor que será concedido pelo governo golpista em troca da Cedae é pífio e paga apenas um mês da folha dos servidores públicos. Equivale a 10% da dívida ativa do estado, que nunca foi cobrada pelos governantes. Ou seja, é o mesmo receituário que Temer usa para acabar com a Previdência Social. Em vez de cobrar dos sonegadores, quer impor a conta ao povo.

As primeiras vítimas da privatização da Cedae serão as populações pobres que moram em comunidades e que têm direito à tarifa social. Estudos comprovam que a entrega da companhia ao mercado irá aumentar em pelo menos 70% as tarifas de distribuição da água potável.

Assim como o petróleo e a energia, a água deve ser compreendida como um bem social e, portanto, de gestão pública. Enquanto o mundo inteiro disputa esses recursos naturais, os golpistas seguem na direção contrária, entregando de mão beijada aos gringos a nossa soberania.

Nós da FUP, seguiremos na luta não só contra a privatização do nosso petróleo, como de qualquer bem público ou recurso natural que estiver sob a mira dos entreguistas. Todo apoio e solidariedade aos trabalhadores da Cedae e ao povo do Rio de Janeiro. Água e energia são um direito humano e não mercadorias!

Rio de Janeiro, 20 de fevereiro de 2017

Federação Única dos Petroleiros"

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247