Governo de SP e o MP querem anular acordos que citam repasses a aliados

O governo do estado de São Paulo, comandado por João Doria (PSDB), e membros do MP-SP tentam anular acordos de delação premiada de empresários que citam, por exemplo, os ex-governadores José Serra e Geraldo Alckmin

João Doria
João Doria (Foto: Gilberto Marques/Governo do Estado de São Paulo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo do estado de São Paulo, comandado por João Doria (PSDB), e membros do Ministério Público (MP-SP) tentam anular acordos de delação premiada de empresários que citam, por exemplo, os ex-governadores José Serra e Geraldo Alckmin, ambos do PSDB, e o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), que chegou a ser anunciado por Doria como chefe da Casa Civil mas foi afastado após operação que investiga se ele recebeu propina da JBS. É o que aponta uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo

A Promotoria do MP-SP faz acordos de leniência com a Odebrecht e com a CCR (controlada por Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Soares Penido) homologados por juízes estaduais e que chegam a R$ 103 milhões.

O Tribunal de Justiça (TJ-SP) questionou a validade das colaborações com base na lei de improbidade, de 1992, segundo a qual esse tipo de acordo não pode embasar uma ação de improbidade.

Os acordos funcionam como na leniência. A companhia apresenta provas sobre supostos atos ilegais que diz ter cometido, delata agentes públicos e se compromete a pagar multas e danos pelos episódios relatados. Em troca, se livra de condenações por improbidade e de ficar, por exemplo, proibida de firmar contratos públicos.


A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247