Hospitais privados de SP restringem chegada de UTIs aéreas de outros estados

Hospitais particulares de São Paulo começaram a restringir o recebimento de pacientes transferidos por UTIs aéreas de outros estados. Segundo um profissional de saúde, em uma noite no início dessa semana, a fila de pacientes provenientes do pronto-socorro e que esperavam um leito de internação chegou a 15 pessoas no Hospital Sírio-Libanês

Hospitais particulares de São Paulo começam a entrar em colapso
Hospitais particulares de São Paulo começam a entrar em colapso (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Hospitais particulares de São Paulo começaram a restringir o recebimento de pacientes transferidos por Unidades de Terapias Intensivas (UTIs) aéreas de outros estados, principalmente, capitais das regiões do Nordeste e do Norte, como Belém (PA) e Manaus (AM), duas cidades estão com as redes pública e privada em colapso nesse arrefecimento de pandemia. 

"Em São Paulo pela primeira vez começamos a ver negativa ou atraso de transferências para pacientes com covid-19 por restrição de leitos", confirmou o enfermeiro Breno Lins Alencar e Silva. "A lógica é que se estão com dificuldade para atender a população local param de receber gente de outros Estados", acrescentou. Os relatos foram publicados no jornal El País.

O Hospital Sírio-Libanês, referência na rede privada paulistana, estava com 90% dos leitos para pacientes com coronavírus cheios nesta quarta-feira (13). Eram 177 pessoas internadas com suspeita ou confirmação da doença. Destes, 48 na UTI. Um profissional da saúde contou que, em uma noite no início dessa semana, a fila de pacientes provenientes do pronto-socorro e que esperavam um leito de internação chegou a 15 pessoas.

No Hospital Israelita Albert Einstein (SP), a lotação de leitos para pacientes com coronavírus bateu o recorde desde o início da pandemia depois das festas de fim de ano. Dos 140 internados, 35% estavam na UTI e 26 deles sobrevivendo com ventilação mecânica. 

Um voo em UTI aérea de Manaus para São Paulo custa a partir R$ 80.000. De Belém a Brasília (DF), a partir de R$ 40.000, mas o valor pode variar bastante entre as empresas e chegar a R$ 200.000 e R$ 120.000 nos mesmos trechos, dependendo da aeronave e outros fatores. 

Alguns planos de saúde mais sofisticados e caros cobrem o custo, porém grandes empresas pagam para seus funcionários a maioria dos voos. O SUS costuma ser o principal cliente do serviço. De acordo com a  Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Brasil tem 40 empresas de aviação executiva com autorização para operar voos de UTI aérea.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247