Intervenção na segurança do Rio acabou, mas gabinete militar ainda custa R$ 500 mil por mês

A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro acabou, porém mais de 20 militares do gabinete criado para esse fim ainda geram altos custos aos cofres públicos. Os valores do custeio do órgão ultrapassam a casa de R$ 500 mil mensais

Forças militares no estado do Rio
Forças militares no estado do Rio (Foto: Tânia Rêgo - Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro acabou no dia 31 de dezembro de 2018, mas o governo custeia as “atividades” de 25 militares e de cinco servidores comissionados no gabinete instituído para esse fim. 

À época do lançamento, o orçamento total para a empreitada foi de R$ 1,2 bilhão. Os valores do custeio do órgão ultrapassam a casa de R$ 500 mil mensais. A informação foi publicada pelo site Metrópoles

Em 2018, Michel Temer criou o gabinete de intervenção federal que está ligado à Casa Civil, comandado atualmente pelo general Braga Netto.

Durante a pandemia do coronavírus, o órgão "suspendeu" as atividades. "As informações solicitadas poderão ser encaminhadas por via eletrônica, muito embora as instalações do GIFRJ estejam funcionando diariamente, com o efetivo reduzido, mantendo rotina normal", destaca trecho de um comunicado publicado no site oficial do gabinete.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247