Jandira: homenagear à luta de Marielle é dar uma resposta à cultura da violência e do ódio

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) manifestou solidariedade à vereadora do Rio Marielle Franco (Psol), assassinada a tiros na região central da capital fluminense; na 1a Bienal da UMES, a parlamentar afirmou que "homenagear à luta de Marielle significa dar uma resposta à cultura da violência e do ódio disseminada pela direita e os fascistas. Não vão nos calar"

Brasília - A Deputada Jandira Feghali durante entrevista de parlamentares que apoiam o governo após encontro com a Presidenta Dilma Rousseff (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Brasília - A Deputada Jandira Feghali durante entrevista de parlamentares que apoiam o governo após encontro com a Presidenta Dilma Rousseff (Marcelo Camargo/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) manifestou solidariedade à vereadora do Rio Marielle Franco (Psol), assassinada a tiros na última quarta-feira (14), na região central da capital fluminense. Na 1a Bienal da UMES, a parlamentar afirmou que "homenagear à luta de Marielle significa dar uma resposta à cultura da violência e do ódio disseminada pela direita e os fascistas. Não vão nos calar".

A Polícia informou que os criminosos escolheram um ponto cego e cometeram o homicídio em um lugar sem câmeras. Entre as dificuldades das investigações do assassinato está justamente a falta de imagens do momento do crime. 

Boa parte das ruas do centro da capital é coberta tanto por câmeras de segurança da cidade e por câmeras dos circuitos internos dos edifícios. O local escolhido pelos criminosos era um dos poucos pontos em que ação poderia ocorrer sem registro.

A suspeita é de o crime tenha sido encomendado. Marielle também era ativista de direitos humanos e vinha denunciando a truculência policial contra as populações marginalizadas. 

Vale ressaltar que as balas de calibre 9 mm encontradas ao lado dos corpos são do lote UZZ-18, vendido à PF de Brasília em 2006. 

Os bandidos também perseguiram a parlamentar por cerca de quatro quilômetros e atiraram a cerca de 2 metros de distância.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247