Jean Wyllys celebra vitória contra escravidão

"É uma vitória ainda parcial, já que o julgamento definitivo ainda está por vir, mas é importantíssima neste momento que o governo acha que sua maioria parlamentar pode avançar sobre todos os direitos previstos para população mais vulnerável na Constituição", diz o deputado, ao comentar o voto da ministra Rosa Weber

"É uma vitória ainda parcial, já que o julgamento definitivo ainda está por vir, mas é importantíssima neste momento que o governo acha que sua maioria parlamentar pode avançar sobre todos os direitos previstos para população mais vulnerável na Constituição", diz o deputado, ao comentar o voto da ministra Rosa Weber
"É uma vitória ainda parcial, já que o julgamento definitivo ainda está por vir, mas é importantíssima neste momento que o governo acha que sua maioria parlamentar pode avançar sobre todos os direitos previstos para população mais vulnerável na Constituição", diz o deputado, ao comentar o voto da ministra Rosa Weber (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Jean Wyllys, em seu facebook

Por decisão liminar, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu hoje a validade da nova portaria do governo Temer sobre o trabalho escravo ou em condição análoga à escravidão.

A ministra considerou que houve desvio da função ao deslocar obrigações técnicas de profissionais concursados para políticos indicados pelo governo e que o direito internacional, em tratados do qual o país é signatário, proíbe a restrição do conceito de trabalho escravo que a nova portaria estabelecia.

É uma vitória ainda parcial, já que o julgamento definitivo ainda está por vir, mas é importantíssima neste momento que o governo acha que sua maioria parlamentar pode avançar sobre todos os direitos previstos para população mais vulnerável na Constituição!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247