Jornadas de Junho de 2013: catador de latas é condenado à prisão

Preso em junho de 2013 por suposta prática de porte de aparato incendiário ou explosivo quando levava apenas duas garrafas plásticas de produtos de limpeza, o catador de latas Rafael Braga Vieira foi condenado à pena de 11 anos e três meses de reclusão, além do pagamento de R$ 1.687; negro, pobre e favelado, Rafael Braga é o único condenado preso no contexto das jornadas de junho de 2013; a sentença foi publicada no portal do TJRJ

Preso em junho de 2013 por suposta prática de porte de aparato incendiário ou explosivo quando levava apenas duas garrafas plásticas de produtos de limpeza, o catador de latas Rafael Braga Vieira foi condenado à pena de 11 anos e três meses de reclusão, além do pagamento de R$ 1.687; negro, pobre e favelado, Rafael Braga é o único condenado preso no contexto das jornadas de junho de 2013; a sentença foi publicada no portal do TJRJ
Preso em junho de 2013 por suposta prática de porte de aparato incendiário ou explosivo quando levava apenas duas garrafas plásticas de produtos de limpeza, o catador de latas Rafael Braga Vieira foi condenado à pena de 11 anos e três meses de reclusão, além do pagamento de R$ 1.687; negro, pobre e favelado, Rafael Braga é o único condenado preso no contexto das jornadas de junho de 2013; a sentença foi publicada no portal do TJRJ (Foto: Leonardo Lucena)

Jornal do Brasil - Preso em junho de 2013 por suposta prática de porte de aparato incendiário ou explosivo quando levava apenas duas garrafas plásticas de produtos de limpeza, o catador de latas Rafael Braga Vieira foi condenado à pena de 11 anos e três meses de reclusão, além do pagamento de R$ 1.687. A sentença foi publicada no portal do TJRJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro) nesta quinta-feira (20).

O juiz Ricardo Coronha Pinheiro negou, em fevereiro, pedido de diligências da defesa que, se atendido, poderia ter mudado o rumo do caso. O DDH (Instituto de Defensores de Direitos Humanos), que atua na defesa de Rafael Braga desde dezembro de 2013, afirma que irá recorrer.

Depois de ter direito à prisão domiciliar em dezembro de 2015, Rafael foi preso novamente em janeiro de 2016 por tráfico de drogas e associação ao tráfico. A prisão ocorreu quando ele caminhava da casa de sua mãe para uma padaria na Vila Cruzeiro, favela no bairro Penha, zona norte do Rio, onde vive sua família. O catador de latas afirma que as acusações foram forjadas por policiais da UPP Vila Cruzeiro. Segundo policiais, ele estava com 0,6g de maconha e um morteiro em sua mochila.

Negro, pobre e favelado, Rafael Braga é o único condenado preso no contexto das jornadas de junho de 2013.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247