Justiça determina que Samarco pague indenizações por rompimento de barragem em Mariana (MG)

As decisões são da 12ª Vara da Justiça Federal de Minas Gerais. Os valores variam entre R$ 23.980,00 e R$ 94.585,00

(Foto: Corpo de Bombeiros/MG - Divulga)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Justiça Federal determinou que a Samarco pague indenizações às vítimas do rompimento da barragem de Fundão, em 2015, em Mariana (MG). As decisões são da 12ª Vara da Justiça Federal de Minas Gerais. Os valores variam entre R$ 23.980,00 e R$ 94.585,00. 

A Justiça entendeu como vítimas do rompimento pescadores profissionais, protocolados, amadores e de subsistência; revendedores informais de pescado; comerciantes; artesãos; areeiros; carroceiros; agricultores; produtores rurais; associações; ilheiros; e lavadeiras que foram prejudicados pelo estrago no Rio Doce.

A barragem rompeu em 2015 matando 19 pessoas e deixando mais de 200 famílias desabrigadas. O rompimento se deu pela ingerência dos administradores da unidade que, em nome do lucro, não realizaram a manutenção da barragem.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247