Líder em contratos fez repasses a firmas ligadas a Cabral

Facility, Grupo com os maiores contratos de terceirização de mão de obra no Estado do Rio de Janeiro, repassou R$ 1,7 milhão a empresas acusadas de lavar a propina paga ao ex-governador fluminense Sérgio Cabral (PMDB); rs repasses foram feitos para o escritório de advocacia de Adriana Ancelmo, mulher de Cabral, e para a LRG Consultoria, do economista Carlos Emanuel Miranda, apontado pelo Ministério Público Federal como operador da propina do peemedebista

Rio de Janeiro - O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral é levado preso na operação Lava Jato em viatura da Polícia Federal na sede na Praça Mauá (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Rio de Janeiro - O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral é levado preso na operação Lava Jato em viatura da Polícia Federal na sede na Praça Mauá (Fernando Frazão/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - A Facility, Grupo com os maiores contratos de terceirização de mão de obra no Estado do Rio de Janeiro, repassou R$ 1,7 milhão a empresas acusadas de lavar a propina paga ao ex-governador fluminense Sérgio Cabral (PMDB). Os repasses foram feitos para o escritório de advocacia de Adriana Ancelmo, mulher de Cabral, e para a LRG Consultoria, do economista Carlos Emanuel Miranda, apontado pelo Ministério Público Federal como operador da propina do peemedebista.

As informações são da Folha.

"O grupo Facility recebeu R$ 2,8 bilhões do Estado no período em que Cabral era governador. Ele era o responsável por fornecer mão de obra terceirizada em diversos órgãos do governo, como faxineiros e seguranças.

O empresário Arthur Cesar de Menezes Soares Filho, antigo dono do grupo, passou a ser conhecido como "rei Arthur" no meio político, em razão dos volumes recebidos por suas empresas.

Segundo dados da Receita Federal, a Facility repassou R$ 1,017 milhão para o escritório Ancelmo Advogados, por meio da empresa Tiger Vigilância e Segurança.

O pagamento começou em 2006, um ano antes de Cabral assumir o governo. Os valores durante a gestão do peemedebista, contudo, aumentaram significativamente. Em 2012, a empresa de Soares Filho transferiu R$ 390 mil à banca da ex-primeira-dama.

Já a empresa de Miranda recebeu R$ 660 mil entre 2007 e 2010, primeiro mandato de Cabral. O último repasse feito para o escritório, de R$ 151 mil, foi feito em 2013.

Em 2014, mesmo em que Cabral deixou o governo, Soares Filho decidiu negociar a empresa. O grupo foi vendido para o fundo de investimento Rise Internacional, e passou a se chamar Prol.

A Facility foi acusada em 2011 pelo Ministério Público do Rio por formar um cartel com outras empresas para fraudar licitações no Detran."

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247