Líderes comunitários dizem que Exército na rua não resolve violência

Em audiência pública, participantes cobraram mais investimentos em políticas sociais e na criação de empregos; "Isso não resolve o nosso problema. Não é o que a comunidade e a sociedade querem. Queremos o respeito de ir e vir. O Exército na rua não vai adiantar nada. Só vai aumentar a violência. As crianças vão pensar que estão morando no Vietnã. O governo falou que ia botar o social, o emprego, a cultura e o esporte, mas só botou polícia dentro da comunidade. É só tiro, porrada e bomba", reclamou Marquinho Balão, presidente da Associação de Moradores da Grota, no Complexo do Alemão

Rio de Janeiro - Forças Armadas atuam na segurança pública na praia de Copacabana, zona sul da capital fluminense (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Rio de Janeiro - Forças Armadas atuam na segurança pública na praia de Copacabana, zona sul da capital fluminense (Tomaz Silva/Agência Brasil) (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - O reforço das Forças Armadas à segurança pública no estado do Rio de Janeiro não representa, necessariamente, solução para os problemas das comunidades pobres, que passa por mais investimentos econômicos e sociais. A opinião é de líderes comunitários que participaram, nesta segunda-feira (31), de audiência pública sobre o atual cenário da política de segurança e sua compatibilização com a proteção dos cidadãos, promovida pelo Ministério Público.

"Isso não resolve o nosso problema. Não é o que a comunidade e a sociedade querem. Queremos o respeito de ir e vir. O Exército na rua não vai adiantar nada. Só vai aumentar a violência. As crianças vão pensar que estão morando no Vietnã. O governo falou que ia botar o social, o emprego, a cultura e o esporte, mas só botou polícia dentro da comunidade. É só tiro, porrada e bomba", reclamou Marquinho Balão, presidente da Associação de Moradores da Grota, no Complexo do Alemão.

Também para o presidente da Associação de Moradores da Mangueira, Washington Fortunato, não é a presença de militares nas favelas que vai solucionar problemas de segurança pública. Segundo ele, a solução passa pelo maior diálogo com a comunidade.

"O que resolveria no Complexo da Mangueira é investimento no social. Estamos vivendo uma guerra civil. O Poder Público está tirando o nosso direito de ir e vir. A militarização não é a solução. Não vejo isso com Exército, com Força Nacional. Vejo solução no diálogo com as comunidades. Hoje nós precisamos é das obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), de habitação e saneamento, que não vêm", disse Washington.

A presidente da Associação de Moradores da Comunidade Faz Quem Quer, em Rocha Miranda, Luciane Costa dos Santos, disse que o objetivo dos moradores não é receber contingentes de militares, mas sim investimentos sociais.

"A gente quer cursos profissionalizantes para nossos jovens e adolescentes, porque aí teríamos como ocupar o tempo deles. A gente não sofre a violência bruta, mas sim a violência do abandono e do descaso do Poder Público. Precisamos é de projetos sociais. Conhecemos um a um na comunidade e podemos trazer os jovens para eles", disse Luciane.

Polícia Militar

Para a promotora Andrea Amin, integrante do Grupo de Atuação Especial em Segurança Pública (Gaesp), que mediou a audiência pública, é possível diminuir a letalidade das ações policiais. Ela disse que o MP estará atento a eventuais excessos cometidos durante as operações federais, reportando os desvios ao Ministério Público Militar (MPM), que é a instância apropriada.

O porta-voz da Polícia Militar, major Ivan Blaz, destacou a importância de haver espaços de diálogo entre polícias e lideranças comunitárias, como na audiência pública promovida pelo MP, mas ressaltou que a política de polícia de proximidade, por meio das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) não pode ser descontinuada.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247