Lindbergh aponta manobra de Temer para aprovar terceirização

Em vídeo, o senador anuncia que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vai colocar na pauta desta terça-feira 7 o projeto da terceirização e pede mobilização nas redes sociais para "pressionar os parlamentares"; "Eles deram um golpe. Pegaram um projeto de 1998, do governo FHC, que já tinha passado pelo Senado, e querem votar amanhã. Se for aprovado, nem passa pelo Senado Federal", diz; segundo o petista, o governo Temer, "nesse momento de fragilidade e com a popularidade lá em baixo", está tentando mostrar para a população que tem uma "pauta de reformas"

Lindbergh Farias
Lindbergh Farias (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) divulgou um vídeo nesta segunda-feira 6 em que anuncia uma manobra que vem sendo colocada em prática pelo governo Michel Temer para aprovar um projeto de terceirização.

Segundo Lindbergh, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vai colocar na pauta desta terça-feira 7 um projeto de lei sobre o tema. O senador pede a mobilização da população nas redes sociais a fim de "pressionar os parlamentares".

"Eles deram um golpe. Pegaram um projeto de 1998, do governo FHC, que já tinha passado pelo Senado, e querem votar amanhã. Se for aprovado, nem passa pelo Senado Federal", explica Lindbergh Farias.

Segundo o petista, o governo Temer, "nesse momento de fragilidade e com a popularidade lá em baixo", está tentando mostrar para a população que tem uma "pauta de reformas".

O parlamentar destaca pesquisa que aponta que o trabalhador terceirizado recebe 27% a menos do que o contratado diretamente pela empresa e trabalha 3 horas a mais por semana. "O que eles querem com esse projeto é reduzir o salário do trabalhador", diz.

O senador lembra ainda que o motivo do golpe parlamentar que colocou Temer no poder sempre foi retirar direitos dos trabalhadores. Assista ao vídeo acima.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247