Lula a Wadih: se eu fosse do Rio, votaria em você

Uma carta de Lula para Wadih Damous – lida por Lurian Cordeiro da Silva, filha do ex-presidente e portadora da mensagem – emocionou a todos os presentes ao Lançamento da Pré-Candidatura do parlamentar à Câmara dos Deputados. O evento foi realizado hoje, às 14h, no Armazém da Utopia, Rio de Janeiro, com a participação de mais de 1 mil pessoas. Na carta, uma declaração de voto: "Seu mandato é necessário e imprescindível na Câmara dos Deputados. Se o meu título de eleitor fosse do Rio, votaria em você", escreveu Lula

Deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva .2
Deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva .2 (Foto: Leonardo Attuch)

Rio 247 – Uma carta de Lula para Wadih Damous – lida por Lurian Cordeiro da Silva, filha do ex-presidente e portadora da mensagem – emocionou a todos os presentes ao Lançamento da Pré-Candidatura do parlamentar à Câmara dos Deputados. O evento foi realizado hoje, às 14h, no Armazém da Utopia, Rio de Janeiro, com a participação de mais de 1 mil pessoas. Na carta, uma declaração de voto: "Seu mandato é necessário e imprescindível na Câmara dos Deputados. Se o meu título de eleitor fosse do Rio, votaria em você", escreveu Lula.

Antes de ler a carta, enviada da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, onde Lula está preso desde 7 de abril, a própria Lurian homenageou Damous: "O Wadih foi o cara que no dia que o Lula foi pros braços da PF, me disse: eu vou tirar o Lula de lá! Vai ser difícil, vai dar trabalho, mas eu vou tirar ele de lá. E eu vou agradecer ao Wadih pelo resto da vida por estas palavras."

No texto, o ex-presidente saudou a coragem do parlamentar de contrariar a "corrente da mídia": "Muitas vezes as pessoas sabem que tem razão, mas ficam quietas com medo das reações contrárias.  Você não é assim.  Você defende seus princípios, defende a lei, defende o Brasil mesmo contra interesses poderosos." E sentenciou: "Entre o aplauso fácil e a verdade, você escolhe a verdade."

Ao final, após dizer que Damous tem sido um guerreiro contra o golpe e na defesa do Estado de Direito, Lula imprimiu um tom pessoal: "Eu, pessoalmente, só tenho a agradecer todo o seu empenho e coragem, pelas quais serei sempre grato."

Estiveram presentes no lançamento a ex-presidenta Dilma Roussef, o ex-ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, o senador Lindbergh, o ator norte-americano e embaixador da ONU, Danny Glover, a jurista Gisele Cittadino (jurista) e a cineasta Maria Augusta Ramos (O Processo) dentre outros.

Algumas presenças não se efetivaram em virtude da atual crise dos combustíveis, como foi o caso do ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho e do João Pedro Stédile, do MST. Ambos enviaram um vídeo de apoio ao Damous.

O ator norte americano, Danny Glover, em visita ao Brasil, veio cumprimentar Dilma Roussef e prestou também apoio ao ato: Eu e muitos outros no mundo estamos com vocês contra esse golpe contra o brasil e contra o povo brasileiro! E concluiu, ovacionado pelos presentes: "Free Lula! Free Lula! Free Lula!"

Lindbergh, muito aplaudido, disse "que está pronto pra debater com o Bolsonaro (filho)" e declarou que já foi eleitor do Wadih desde a sua primeira eleição. Celso Amorim destacou a qualidade do mandato do deputado Damous e afirmou que ele confere excelência à Câmara dos Deputados.

O pré-candidato à presidência da República, pelo PSOL, Guilherme Boulos, também enviou um video e saudou a pré-candidatura de Wadih. Stédile, do MST, disse em video, que se fosse carioca, votaria em Damous.

Diversos parlamentares petistas e pré-candidatos, dirigentes sindicais, líderes comunitários, exibiram faixas de apoio e estiveram representados no evento.

Dilma: a luta de Wadih Damous é a minha luta

Aplaudida de pé, a ex-presidenta pediu licença a todos para começar a discursar e disse: "Estou aqui para fazer um testemunho. Estou feliz de ter essa oportunidade de falar que a luta de Wadih Damous é a minha luta e que tenho nele um parceiro de trincheira."

Dilma acusou a elite brasileira: "Ela não foi golpista, ela é golpista", disse. "E Wadih esteve na frente da luta contra o golpe.

"O golpe tinha um objetivo político: nos destruir. E teve uma surpresa, eles se destruíram, nós não. Todos os partidos conservadores que articularam o golpe se destruíram, nós não", pontuou.

Ao defender a pré-candidatura de Damous, Dilma destacou o papel dos congressistas: "Nós que fomos presidentes [Dilma e Lula] sabemos como é importante ter uma Câmara Federal combativa. O Wadih Damous é uma honra para o Estado do Rio de Janeiro, mas não é só isso, ele é uma honra para o Brasil."

Ao terminar o discurso, Dilma parafraseou Guimarães Rosa: "O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente, Wadih, você tem de sobra: coragem!" Conclui

Wadih Damous

Muito emocionado, o pré-candidato iniciou sua fala referindo-se a Lula: "Gostaria muito que o meu amigo estivesse aqui , mas não está. Mas é a razão da minha vida tirar o presidente de onde ele está. O lugar do nosso presidente é no meio do povo brasileiro. Lá é o seu lugar. Assim como ele precisa do povo brasileiro, o povo brasileiro precisa dele", disse. E convocou a todos: "Nós vamos tirar ele das masmorras, pela via do Direito ou pela via que se apresentar."

Wadih afirmou que não faria nenhum anuncio bombástico sobre o que iria fazer num proximo mandato. Simplesmente iria prosseguir na luta contra o Estado de Exceção que se instalou no Brasil, e contra o avanço do fascimo no país.

Ex- presidente da OAB/RJ, ele fez um alerta aos advogados: "O Estado de Exceção é também um golpe contra a advocacia. É um golpe contra o amplo direito de defesa."

Após discorrer sobre as delações premiadas como forma de tortura e denunciar as ilegalidades recorrentes em nome do combate à corrupção, Wadih sentenciou: "A operação lava jato é uma operação criminosa. O juiz que a conduz pratica crimes", concluiu.

Vaquinha eletrônica

Wadih Damous é mais uma pré-candidatura que já iniciou sua arrecadação on line, a chamada "vaquinha eletrônica", permitida pela legislação eleitoral desde 15 de maio. Por meio do endereço eufinancio.wadihdamous.com.br a pré-campanha já arrecadou R$4,7 mil em apenas uma semana. Os organizadores preveem que o lançamento da pré-candidatura dará um mais um impulso à arredacação.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247