Movimentos protestam no Rio contra impeachment

Trabalhadores e sindicalistas ligados às centrais sindicais e representantes de movimentos sociais realizam manifestação no centro do Rio em protesto contra a tentativa de impeachment da presidente Dilma; o presidente nacional da CUT, Valter Freitas, disse que o objetivo principal da manifestação era repudiar o que ele classificou como golpe

Trabalhadores e sindicalistas ligados às centrais sindicais e representantes de movimentos sociais realizam manifestação no centro do Rio em protesto contra a tentativa de impeachment da presidente Dilma; o presidente nacional da CUT, Valter Freitas, disse que o objetivo principal da manifestação era repudiar o que ele classificou como golpe
Trabalhadores e sindicalistas ligados às centrais sindicais e representantes de movimentos sociais realizam manifestação no centro do Rio em protesto contra a tentativa de impeachment da presidente Dilma; o presidente nacional da CUT, Valter Freitas, disse que o objetivo principal da manifestação era repudiar o que ele classificou como golpe (Foto: Aline Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil

Trabalhadores e sindicalistas ligados às centrais sindicais e representantes de movimentos sociais realizam manifestação no centro do Rio em protesto contra a tentativa de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

A concentração do ato ocorreu na Avenida Presidente Vargas, que teve a pista lateral interditada ao trânsito, prosseguindo pela Avenida Rio Branco, com trajeto previsto até a Cinelândia, com uma parada nas proximidades da Petrobras.

O presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Valter Freitas, disse que o objetivo principal da manifestação era repudiar o que ele classificou como golpe contra a presidenta Dilma Rousseff.

"Queremos impedir o impeachment e o retrocesso político. Os que defendem o impeachment são os mesmos que são contra os direitos trabalhistas e a carteira assinada, são a favor da terceirização e da precarização do trabalho. Articulam um golpe contra a democracia e o Brasil", afirmou Freitas.

Para o presidente da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Zé Maria Rangel, entre as forças que apoiam o impeachment estão setores da indústria petrolífera estrangeira. Segundo ele, é preciso retomar urgentemente os investimentos da Petrobras, como forma de auxiliar a economia brasileira a voltar a crescer.

"Este ato é pela retomada dos investimentos em emprego e renda no Brasil. Queremos a manutenção do Estado Democrático de direito. Não há fato grave contra a presidenta Dilma, só um sentimento de vingança", disse Zé Maria.

Além da CUT, que estava em maior número, participaram do ato a União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central Geral dos Trabalhadores (CTB). Diversos sindicatos se fizeram presentes, principalmente os ligados aos setores metalúrgico e petroleiro. O ato contou com apoio de quatro carros de som. A Polícia Militar acompanhou a manifestação com soldados do Batalhão de Grandes Eventos, especialmente treinados para atuar em manifestações de rua.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247