MP Eleitoral pede absolvição de Haddad de condenação por caixa 2

Ministério Público Eleitoral se manifestou pela derrubada da decisão que condenou o ex-prefeito Fernando Haddad a quatro anos de prisão por suposto crime de caixa 2 nas eleições de 2012. Segundo o procurador regional eleitoral Sérgio Monteiro Medeiros, não há provas contra Haddad

MP Eleitoral pede absolvição de Haddad.
MP Eleitoral pede absolvição de Haddad. (Foto: REUTERS/Rodolfo Buhrer)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público Eleitoral de São Paulo se manifestou pela absolvição do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) do crime de caixa dois na campanha de 2012. 

O petista foi condenado em agosto de 2019 passado pelo juiz Francisco Carlos Shintate a quatro anos e seis meses de prisão em regime semiaberto, por duas gráficas terem emitido notas fiscais supostamente frias para sua. 

O magistrado considerou que Haddad mostrou desinteresse pela verificação dos documentos das gráficas e, assim, “assumiu o risco” de que tais papéis fossem incluídos nos registros oficiais de sua campanha.

Em seu parecer, o procurador regional eleitoral Sérgio Monteiro Medeiros afirmou que Haddad não poderia ter sido punido criminalmente sob a alegação de não ter demonstrado interesse pelo controle dos documentos inseridos na prestação de contas.

Segundo Medeiros, “ainda que o réu [Haddad] tivesse o dever de fiscalizar o andamento de sua campanha e zelar pela veracidade das informações na prestação de suas próprias contas, a falha desse dever não acarreta, automaticamente, a sua responsabilização pelo crime do artigo 350 do CE [Código Eleitoral]”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247