No primeiro ano do governo Doria, São Paulo tem recordes de casos de feminicídios

A Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP) informou que os casos de feminicídio bateram recorde no estado de São Paulo e chegaram a 154 ocorrências no estado de São Paulo entre janeiro e novembro deste ano

(Foto: Governo do Estado de São Paulo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP) informou que os casos de feminicídio bateram recorde no estado de São Paulo e chegaram a 154 ocorrências no estado de São Paulo entre janeiro e novembro deste ano. O número representa um aumento de 29% na comparação com os 119 assassinatos registrados no mesmo período do ano anterior. Também superam todos os 134 casos dessa natureza registrados no estado ao longo de todo o ano de 2018.

A quantidade de feminicídios é a maior desde o início da série histórica, em 2015, com a publicação da lei em março.

Os casos mais comuns de assassinatos contra mulheres ocorrem por motivos como a separação. De lá para cá, o feminicídio é tipificado como crime hediondo.

Leia a nota da SSP:

A Secretaria da Segurança Pública informa que o número de prisões em flagrante por feminicídio cresceu 8,6% de janeiro a novembro deste ano ante o mesmo período de 2018. A atual gestão tem investido para reforçar o combate à violência doméstica em todas as suas vertentes. Ampliou de uma para 10 o número de DDMs 24 horas, criou o SOS Mulher – aplicativo que prioriza o atendimento às vítimas com medidas protetivas – e tem realizado campanhas para incentivar o registro dessas ocorrências, a fim de que os autores desses crimes sejam identificados e responsabilizados. A pasta também investe na capacitação dos seus profissionais ao acolhimento dessas vítimas, por meio de cursos de capacitação nas respectivas academias e um protocolo único de atendimento utilizado em todas as unidades de polícia judiciária do Estado.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247