O silenciamento da população negra causou a ascensão do fascismo, diz psicanalista da UFRJ

A psicanalista e professora da UFRJ Mariana Mollica e o membro do movimento Parem de Nos Matar André Constantine conversaram com a TV 247 sobre o crescimento do fascismo no país e sobre a situação de saúde dos militantes de comunidades. Assista

Operação policial na favela
Operação policial na favela (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A TV 247 conversou com a psicanalista e professora da UFRJ Mariana Mollica e com o líder do Morro da Babilônia no Rio de Janeiro e membro dos movimentos Favela não se Cala e Parem de nos Matar, André Constantine, sobre racismo, psicanálise, militância nas favelas e ataques do Estado às comunidades.

Mariana afirmou que a ascensão do fascismo no país está ligado ao silenciamento dos negros no Brasil, resquício da escravidão e da ditadura. “Houve um silenciamento da população negra e não é por acaso que neste momento estamos vivenciando essa subida do fascismo de uma maneira assustadora como a gente jamais viu na nossa cultura. Me parece que isso tem uma ligação, tanto com a história da escravidão negra como também com uma ditadura que não puniu seus algozes. Que não registrou como crime o que aconteceu durante a ditadura militar”.

André ressaltou a importância do cuidado com a saúde dos militantes de comunidades cariocas em tempos de franca luta e resistência contra o fascismo. Ele contou que muitos militantes da periferia adoeceram, fruto também do racismo estrutural da sociedade.

“Nesse momento de enfrentamento direto ao fascismo, é importante cuidar da saúde mental dos militantes de favela, vários militantes estão adoecendo, é importante na esquerda encontrarmos espaço de acolhimento, espaços onde nós possamos cuidar uns dos outros, nesse momento em que o fascismo chegou à Presidência da República e ao Palácio Guanabara...o racismo estrutural gera um adoecimento na saúde mental do povo negro, não é a toa que somos a maioria esmagadora nos manicômios...nós vivenciamos o racismo cotidianamente e isso vai te adoecendo. Além de unidade precisamos desse cuidado uns com os outros”.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247