Oficial do Corpo de Bombeiros do Rio é denunciado por venda de alvarás

A Justiça do Rio aceitou denúncia contra o  tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Eric Soledade do Lago, acusado de integrar uma quadrilha que funcionava nos quartéis da corporação e recebia propina para conceder alvarás de licença a estabelecimentos comerciais na região metropolitana sem cumprir as exigências necessárias para o funcionamento; ao ser preso, em casa, ele tinha um revólver com numeração raspada e mais de 50 cartuchos; o tenente-coronel Eric Soledade do Lago virou réu ao ter a denúncia aceita pela Justiça do estado


A Justiça do Rio aceitou denúncia contra o  tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Eric Soledade do Lago, acusado de integrar uma quadrilha que funcionava nos quartéis da corporação e recebia propina para conceder alvarás de licença a estabelecimentos comerciais na região metropolitana sem cumprir as exigências necessárias para o funcionamento; ao ser preso, em casa, ele tinha um revólver com numeração raspada e mais de 50 cartuchos; o tenente-coronel Eric Soledade do Lago virou réu ao ter a denúncia aceita pela Justiça do estado
A Justiça do Rio aceitou denúncia contra o  tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Eric Soledade do Lago, acusado de integrar uma quadrilha que funcionava nos quartéis da corporação e recebia propina para conceder alvarás de licença a estabelecimentos comerciais na região metropolitana sem cumprir as exigências necessárias para o funcionamento; ao ser preso, em casa, ele tinha um revólver com numeração raspada e mais de 50 cartuchos; o tenente-coronel Eric Soledade do Lago virou réu ao ter a denúncia aceita pela Justiça do estado (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou denúncia contra o  tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Eric Soledade do Lago, acusado de integrar uma quadrilha que funcionava nos quartéis da corporação e recebia propina para conceder alvarás de licença a estabelecimentos comerciais na região metropolitana sem cumprir as exigências necessárias para o funcionamento. Ao ser preso, em casa, ele tinha um revólver com numeração raspada e mais de 50 cartuchos.

O tenente-coronel Eric Soledade do Lago virou réu ao ter a denúncia aceita pela Justiça do estado.

No dia 12 de setembro, a Corregedoria-Geral Unificada da Secretaria de Segurança Pública e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) realizaram a Operação Ingenium para cumprir mandados de prisão contra 38 pessoas, das quais 35 bombeiros militares e três empresários, acusados de integrar a quadrilha. No momento em que se buscava cumprir o mandado de prisão de Eric, foram encontradas em sua casa a arma e as munições. O oficial teve negado o pedido de liberdade provisória.

De acordo com o MPRJ, a investigação começou com escutas telefônicas feitas em 2015, referentes a uma investigação sobre agiotagem, na qual um bombeiro estava envolvido. Os diálogos eram cifrados e que gírias eram usadas para se referir aos valores. O MPRJ informou ainda que o grupo negociava a liberação de estabelecimentos comerciais sem as exigências e fiscalização necessárias no processo legal, por meio do controle dos serviços técnicos conhecido como Setor de Engenharia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247