Para petista, Cunha integra a “banda podre” do PMDB

O presidente do PT do Rio, Washington Quaquá, alfinetou o deputado federal Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara; após o parlamentar defender o rompimento da aliança da sigla peemedebista com o Partido dos Trabalhadores, Quaquá afirmou que a sigla não pode ser "chantageada" pelo PMDB; para o petista, Cunha integra a "banda podre" da sigla 

O presidente do PT do Rio, Washington Quaquá, alfinetou o deputado federal Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara; após o parlamentar defender o rompimento da aliança da sigla peemedebista com o Partido dos Trabalhadores, Quaquá afirmou que a sigla não pode ser "chantageada" pelo PMDB; para o petista, Cunha integra a "banda podre" da sigla 
O presidente do PT do Rio, Washington Quaquá, alfinetou o deputado federal Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara; após o parlamentar defender o rompimento da aliança da sigla peemedebista com o Partido dos Trabalhadores, Quaquá afirmou que a sigla não pode ser "chantageada" pelo PMDB; para o petista, Cunha integra a "banda podre" da sigla  (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 – O presidente do PT do Rio, Washington Quaquá, alfinetou, nesta quarta-feira (5), o deputado federal Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara. Após o parlamentar defender o rompimento da aliança da sigla peemedebista com o Partido dos Trabalhadores, Quaquá afirmou que a sigla não pode ser "chantageada" pelo PMDB.

De acordo com o petista, tanto Cunha como o presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani, integram a "banda podre" da sigla. Quaquá disse também que o líder peemedebista lidera um "bocão na Câmara, com gente acostumada a chantagear os governos", em referência ao "blocão", articulação que reúne legendas governistas insatisfeitas com a interlocução do governo federal com os parlamentares.

"Tenho maior respeito à história do PMDB, que tem importância na estabilidade política do Brasil. Mas não vamos ser chantageados por um cidadão bocudo como Eduardo Cunha. Já ouvi declarações do [presidente do PMDB, Valdir] Raupp, do [vice-presidente] Michel Temer dizendo que a aliança tem maioria da convenção. Nem o PMDB, que tem uma história no Brasil, nem o PT podem virar refém de gente como Eduardo Cunha", afirmou Quaquá, segundo a Folha de S. Paulo.

As trocas de farpas entre PT e PMDB começou depois que o jornal "O Dia" informar que o presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse que Picciani ameaçou não apoiar a presidente Dilma Rousseff, e sim o senador Aécio Neves (PSDB-MG), caso os peemedebistas não fossem contemplados com cargos no governo federal.

Em contrapartida, Cunha defendeu o rompimento de aliança entre PT e PMDB e disse que o Partido dos Trabalhadores não respeita a legenda peemedebista. Por sua vez, Picciani chamou Falcão de "vagabundo".

Para Quaquá, o fato é que o PMDB precisa se acostumar com o "novo PT do Rio". "Eles estavam acostumados com o PT do Rio que ficava orbitando em torno dos cargos do governo. Não se acostumaram com o novo PT do Rio, que de fato tem ojeriza a esse tipo de gente, a banda podre do PMDB", disse.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email